Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Chega de violência e maus-tratos contra a gestante!

Professor elucida uma chaga que ainda é vista e noticiada pelo país: a falta de respeito e as agressões a mulheres, inclusive no parto

Por Jorge Rezende Filho, ginecologista e obstetra*
8 set 2022, 10h28

A violência contra a mulher, especialmente contra a grávida, não é apenas uma questão de saúde pública, mas de direitos humanos, com registros que remontam aos tempos em que a humanidade começou a viver em comunidades. É um problema que se perpetua até hoje, em menor escala, é verdade, porém com efeitos nefastos para as mulheres.

A vida moderna melhorou as relações interpessoais e criou regras de convivência e punições por excessos. Com a modernidade, também surgiram os meios de comunicação, que deram ainda mais transparência ao dia a dia das pessoas. Tal exposição ajudou a desvendar a chaga da violência contra a mulher, particularmente contra a gestante.

Não por acaso, flagrantes de agressões por parceiros ou por profissionais de saúde que deveriam estar ali para cuidar povoam as manchetes da mídia e as redes sociais.

A violência entre parceiros íntimos pode ser de natureza física, psicológica e/ou sexual, e atinge níveis elevados na gestação, com consequências visíveis na mulher, e desfechos imediatos, de médio e longo prazo. Exemplos: ganho inadequado de peso, sangramentos, lesões físicas e maior risco de mortalidade materna.

Também há os impactos de ordem psicológica e comportamental, como medo, vergonha, baixa autoestima, depressão pós-parto, transtorno do estresse pós-traumático, ansiedade, insônia e comportamentos de risco.

Na saúde sexual e reprodutiva, podem ocorrer infecção por doenças sexualmente transmissíveis, infecção pélvica e/ou do trato urinário, fístula e miomas. Sem falar em dores crônicas e outros distúrbios físicos e, no limite, feminicídio e suicídio.

Continua após a publicidade

Já na ponta mais frágil e indefesa, a criança, as consequências ocorrem ainda no útero, passam pelo período neonatal e podem alcançar a primeira infância. Aborto, morte fetal, baixo peso ao nascer, tamanho pequeno para idade gestacional, prematuridade, desmame precoce, desnutrição, menor desenvolvimento cognitivo, problemas de saúde mental e maior risco de sofrer violência na infância estão entre as situações documentadas.

+ LEIA TAMBÉM: Violência contra a mulher, um sofrimento silencioso

Em relação aos maus-tratos no parto, por todo o mundo avolumam-se denúncias de grávidas que sofreram abuso e negligência na assistência a esse momento. Há relatos de tapas, chutes, socos e xingamentos contra mulheres, durante e após o parto, perpetrados por profissionais.

Em 2014, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que “todas as mulheres têm direito ao mais alto padrão de saúde atingível, incluindo o direito a uma assistência digna e respeitosa durante toda a gravidez e o parto, assim como o direito de estar livre da violência e discriminação”.

Então é fundamental promover o cuidado respeitoso à gestante. Quando ela se sente apoiada, respeitada e apta a participar e compartilhar o processo de decisão com seus cuidadores, a chance de uma experiência positiva é bem maior.

Continua após a publicidade

Intervenções nesse sentido são necessárias nos três níveis de cuidado: individual, hospitalar e sistema de saúde. Assim, promover o cuidado respeitoso vai além de prevenir os maus-tratos no parto. Não por menos, a 14ª edição do livro Rezende Obstetrícia (Guanabara – clique para comprar), obra de referência para profissionais da área, aborda essa questão e ousa apontar soluções num capítulo inédito.

Urge esquecer corporativismos e conceitos ultrapassados. É preciso tocar na ferida exposta e ajudar a grávida em seu momento mágico, além de garantir que a criança se desenvolva e nasça de forma digna e segura.

Compartilhe essa matéria via:

* Jorge Rezende Filho é professor titular da cátedra de Obstetrícia e Ginecologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e membro da Academia Nacional de Medicina

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.