Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Chega de violência e maus-tratos contra a gestante!

Professor elucida uma chaga que ainda é vista e noticiada pelo país: a falta de respeito e as agressões a mulheres, inclusive no parto

Por Jorge Rezende Filho, ginecologista e obstetra*
8 set 2022, 10h28

A violência contra a mulher, especialmente contra a grávida, não é apenas uma questão de saúde pública, mas de direitos humanos, com registros que remontam aos tempos em que a humanidade começou a viver em comunidades. É um problema que se perpetua até hoje, em menor escala, é verdade, porém com efeitos nefastos para as mulheres.

A vida moderna melhorou as relações interpessoais e criou regras de convivência e punições por excessos. Com a modernidade, também surgiram os meios de comunicação, que deram ainda mais transparência ao dia a dia das pessoas. Tal exposição ajudou a desvendar a chaga da violência contra a mulher, particularmente contra a gestante.

Não por acaso, flagrantes de agressões por parceiros ou por profissionais de saúde que deveriam estar ali para cuidar povoam as manchetes da mídia e as redes sociais.

A violência entre parceiros íntimos pode ser de natureza física, psicológica e/ou sexual, e atinge níveis elevados na gestação, com consequências visíveis na mulher, e desfechos imediatos, de médio e longo prazo. Exemplos: ganho inadequado de peso, sangramentos, lesões físicas e maior risco de mortalidade materna.

Também há os impactos de ordem psicológica e comportamental, como medo, vergonha, baixa autoestima, depressão pós-parto, transtorno do estresse pós-traumático, ansiedade, insônia e comportamentos de risco.

Na saúde sexual e reprodutiva, podem ocorrer infecção por doenças sexualmente transmissíveis, infecção pélvica e/ou do trato urinário, fístula e miomas. Sem falar em dores crônicas e outros distúrbios físicos e, no limite, feminicídio e suicídio.

Continua após a publicidade

Já na ponta mais frágil e indefesa, a criança, as consequências ocorrem ainda no útero, passam pelo período neonatal e podem alcançar a primeira infância. Aborto, morte fetal, baixo peso ao nascer, tamanho pequeno para idade gestacional, prematuridade, desmame precoce, desnutrição, menor desenvolvimento cognitivo, problemas de saúde mental e maior risco de sofrer violência na infância estão entre as situações documentadas.

+ LEIA TAMBÉM: Violência contra a mulher, um sofrimento silencioso

Em relação aos maus-tratos no parto, por todo o mundo avolumam-se denúncias de grávidas que sofreram abuso e negligência na assistência a esse momento. Há relatos de tapas, chutes, socos e xingamentos contra mulheres, durante e após o parto, perpetrados por profissionais.

Em 2014, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que “todas as mulheres têm direito ao mais alto padrão de saúde atingível, incluindo o direito a uma assistência digna e respeitosa durante toda a gravidez e o parto, assim como o direito de estar livre da violência e discriminação”.

Então é fundamental promover o cuidado respeitoso à gestante. Quando ela se sente apoiada, respeitada e apta a participar e compartilhar o processo de decisão com seus cuidadores, a chance de uma experiência positiva é bem maior.

Continua após a publicidade

Intervenções nesse sentido são necessárias nos três níveis de cuidado: individual, hospitalar e sistema de saúde. Assim, promover o cuidado respeitoso vai além de prevenir os maus-tratos no parto. Não por menos, a 14ª edição do livro Rezende Obstetrícia (Guanabara – clique para comprar), obra de referência para profissionais da área, aborda essa questão e ousa apontar soluções num capítulo inédito.

Urge esquecer corporativismos e conceitos ultrapassados. É preciso tocar na ferida exposta e ajudar a grávida em seu momento mágico, além de garantir que a criança se desenvolva e nasça de forma digna e segura.

Compartilhe essa matéria via:

* Jorge Rezende Filho é professor titular da cátedra de Obstetrícia e Ginecologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e membro da Academia Nacional de Medicina

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.