Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Boas notícias sobre o tratamento de doenças raras

Documento da ONU reforça a importância de colocarmos as necessidades de quem convive com uma patologia rara no centro de debates

Por Antoine Daher, presidente da Casa Hunter*
Atualizado em 25 jan 2022, 10h14 - Publicado em 22 jan 2022, 11h00

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), existem entre 6 e 8 mil tipos de doenças raras. A maioria tem origem genética e desafia médicos e indústria farmacêutica, tanto no diagnóstico quanto no tratamento.

Esses são, na verdade, os dois calvários de pacientes e familiares: uma longa jornada em busca da identificação da patologia e, ao término, o início da luta pelo acesso ao medicamento – isso se ele existe.

Apenas 4% das patologias raras possuem um tratamento. E, por conta de suas especificidades, os medicamentos desse segmento encontram-se na definição de “drogas órfãs”.

Trata-se de terapias marcadas pela unicidade desde a partida, uma vez que não se enquadram nos procedimentos comuns. Estamos falando de doenças raras, de um número reduzido de pacientes, que demandam atenção das agências sanitárias.

Compartilhe essa matéria via:

Esse longo “prefácio” faz-se necessário enquanto a dinâmica dessas patologias permanecer ignorada. O mundo precisa conhecer – e conviver – com o universo das doenças raras. Essa é uma demanda urgente e repleta de mensagens relevantes para todos.

Continua após a publicidade

Por conta da complexidade desses quadros e das pesquisas fundamentais para o desenvolvimento de tratamentos, os raros encontram-se à frente de uma tendência.

O progresso das terapias gênicas, hoje indicadas como um caminho e possível cura para inúmeras patologias, está diretamente relacionado à energia de pacientes raros e seus cuidadores, bem como de pesquisadores, que têm dedicado décadas de estudos em busca de alternativas.

Em resumo, a tecnologia de ponta empregada no desenvolvimento de tratamento para raros há de beneficiar a muitos.

A perspectiva de uma medicina personalizada, cada vez mais ajustada às características únicas de cada ser e seu DNA, é uma herança dos raros.

+ Leia também: Teste do pezinho agora é ampliado

Bons ventos, no entanto, apontam na direção desses pacientes. No dia 16 de dezembro, a 76ª Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou a resolução “Enfrentando os desafios das pessoas que vivem com uma doença rara e seus familiares”.

O documento lança luz sobre as demandas de 300 milhões de pessoas que vivem com uma doença rara no mundo (13 milhões só no Brasil) e aponta a importância de diálogo sobre as necessidades desse público.

Nesse sentido, um valioso passo foi a aprovação pela Câmara de São Paulo de projeto que autoriza a concessão de terreno para construção da Casa dos Raros, que permitirá diagnósticos de ponta, tratamentos qualificados, novas tecnologias de saúde e capacitação para profissionais da área.

Esse é só o começo. Cabe a nós, sociedade civil, lutar pela implementação de ações que mudem o atual cenário e tirem as patologias raras do desconhecimento.

*Antoine Daher é fundador e presidente da Casa Hunter, Febrararas e Casa dos Raros

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.