Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

A microbiota do sêmen tem relação com a fertilidade masculina?

Sim, há um pequeno grupo de micro-organismos que convivem junto com os espermatozoides (e podem influenciar na mobilidade deles)

Por Fernando Prado, especialista em reprodução humana*
Atualizado em 15 fev 2024, 12h15 - Publicado em 15 fev 2024, 12h11

A microbiota intestinal tem sido alvo de diversos estudos científicos com foco na saúde. Mas não é somente o intestino que possui micro-organismos convivendo harmoniosamente conosco.

O sêmen, por exemplo, tem a sua própria microbiota. E um estudo recente, publicado na revista científica Scientific Reports (do grupo da Nature), indica que ela é importante para entender a infertilidade masculina.

A microbiota do sêmen pode desempenhar um papel crucial na influência dos parâmetros do esperma e no aumento da fertilidade masculina. Quanto mais explorarmos essas funções, mais próximos estaríamos do desenvolvimento de tratamentos destinados a corrigir quaisquer problemas com os parâmetros do esperma.

Um estudo do Departamento de Urologia da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, nos Estados Unidos, descobriu que um micróbio em particular, o Lactobacillus iners, pode ter um impacto negativo direto na fertilidade masculina.

Por meio da análise do sêmen, os pesquisadores mostraram que homens com alta concentração desse micro-organismo eram mais propensos a ter problemas com a motilidade dos espermatozoides.

Continua após a publicidade

A motilidade é um termo que se refere à capacidade de locomoção. Uma boa motilidade, em espermatozoides, é fundamental para que essa célula encontre e fecunde o óvulo.

Leia também: Por que os espermatozoides estão em baixa

Pesquisas anteriores revelaram que os Lactobacillus iners podem produzir preferencialmente ácido L-láctico, potencialmente levando a um ambiente pró-inflamatório no local, o que afetaria negativamente a motilidade dos espermatozoides.

A maior parte da literatura que relaciona a fertilidade com micro-organismos concentrou-se no microbioma vaginal e nos fatores femininos. Esse é o primeiro estudo a relatar uma associação negativa entre o micróbio e a fertilidade do fator masculino.

Continua após a publicidade

Há muito mais para explorar em relação ao microbioma e a sua ligação com a infertilidade masculina. No entanto, essas descobertas fornecem informações valiosas em direção a uma compreensão mais profunda desse quadro.

A pesquisa se alinha com evidências de estudos menores, e abre caminho para futuras investigações mais abrangentes no sentido de desvendar a complexa relação entre o microbioma do sêmen e fertilidade.

*Fernando Prado é ginecologista, obstetra e especialista em reprodução humana. É diretor clínico da Neo Vita e coordenador médico da Embriológica. Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo e é membro da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM) e da Sociedade Europeia de Reprodução Humana (ESHRE)

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.