Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Infertilidade também é coisa de homem, mas tem solução

Embora se atribua a dificuldade de ter filhos mais à mulher, 30% dos casos se devem exclusivamente a um fator masculino. Entenda o porquê e como contornar

Por Rodrigo Rosa, especialista em reprodução humana*
11 fev 2022, 10h31

Ainda é relativamente comum as pessoas associarem a infertilidade apenas às mulheres. Sabemos, de fato, que 50% das causas da dificuldade se devem a um fator feminino, mas 30% dos casos estão relacionados exclusivamente ao homem e 20% correspondem ao casal. Ou seja, não é incomum o problema acometer o sexo masculino.

As principais causas de infertilidade no homem estão ligadas a hábitos de vida: obesidade, tabagismo, abuso de álcool, alimentação inadequada, sono não reparador e sedentarismo.

Também existe a varicocele, que é a presença de dilatação e varizes nas veias da bolsa testicular. E ainda temos os fatores genéticos, que influenciam na ausência total ou presença de poucos espermatozoides.

Além disso, a criptorquidia, quando o testículo não desce antes do nascimento, se não for corrigida a tempo, é causa de infertilidade masculina. Por fim, temos fatores hormonais, principalmente por abuso de esteroides anabolizantes, que causam esse e outros problemas.

O exame que vai avaliar o potencial fértil do homem é o espermograma, que mostra o volume do sêmen, a concentração dos espermatozoides, a motilidade e a morfologia dessas células. Baseados nesses parâmetros, podemos estimar as chances de o indivíduo conseguir ter filhos.

+ Leia também: Câncer de testículo atinge os mais jovens e pode interferir na fertilidade

No caso de alteração do espermograma, solicitamos outros testes e métodos para avaliar as causas envolvidas, como ultrassom de bolsa testicular, doppler para averiguar uma eventual varicocele, exames hormonais e uma técnica chamada fragmentação de DNA espermático, que apura razões por trás da infertilidade e de abortos de repetição.

Tratar a infertilidade masculina passa inevitavelmente pela identificação do motivo. Se for varicocele, o tratamento cirúrgico pode ser indicado. Se a causa estiver relacionada ao estilo de vida, podemos recomendar a perda de peso, prática de exercícios, melhora na alimentação etc.

Mas existem casos que são realmente irreversíveis, em geral por causas genéticas ou sequelas de traumas e infecções. Nessas circunstâncias, são indicados os tratamentos de reprodução assistida, a inseminação artificial ou a fertilização in vitro.

Compartilhe essa matéria via:

Não é raro depararmos com episódios de azoospermia, que é a ausência de espermatozoides na ejaculação, mas é possível, através de uma pulsão ou biópsia do testículo ou do epidídimo (estrutura onde ficam armazenadas as células germinativas), obter algum espermatozoide e partir para a técnica de fertilização in vitro.

Continua após a publicidade

Nos casos em que não há espermatozoides e a biópsia não é uma opção, a saída é recorrer a bancos de sêmen, de doador anônimo, para que o casal consiga ter filhos e o homem com infertilidade consiga ser pai não biológico.

Sempre que houver suspeita de infertilidade, tanto o homem como a mulher devem ser investigados junto a uma equipe especializada. Só assim podemos encontrar um caminho para que o casal realize seu sonho.

* Rodrigo Rosa é ginecologista e especialista em reprodução humana, membro da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida e da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana e sócio-fundador e diretor da clínica Mater Prime e do Mater Lab, em São Paulo

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.