Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Coisas de Homens

Sexo, libido, ereção, prevenção de doenças… O bem-estar dos homens está na mira do urologista João Brunhara, diretor médico da Omens, plataforma que trata da saúde sexual masculina
Continua após publicidade

Existe andropausa?

A queda de produção da testosterona com a idade pode acontecer, mas é muito diferente da menopausa - nosso colunista explica como tratar

Por João Brunhara
25 jan 2024, 17h29

Os homens podem, sim, sofrer uma queda hormonal com a idade. Mas o processo é tão diferente da menopausa nas mulheres que o nome andropausa não é recomendado

De fato, existe uma tendência de queda da testosterona nos homens com a idade. Mais precisamente, a estimativa é que esse hormônio pode baixar 1% ao ano, a partir dos 40 anos de idade.

Porém, o declínio da testosterona não acontece em todos os homens, e também não acontece de forma súbita – ao contrário delas, em que há uma queda robusta da produção hormonal e que atinge virtualmente todas as mulheres. Por isso, o paralelo com a menopausa é impreciso.

+Leia também: Desvendando a dor: cólicas afetam homens e mulheres

No caso dos homens, pode existir uma redução gradual. E também existem homens com mais de 70 anos com níveis hormonais comparáveis aos de jovens de 20. Por conta dessas diferenças, o termo preferido cientificamente é Deficiência Androgênica do Envelhecimento Masculino (DAEM).

Continua após a publicidade

Os sintomas da queda hormonal muitas vezes se confundem com mudanças atribuídas ao próprio envelhecimento, como falta de libido e de energia, perda de massa muscular, aumento da gordura corporal, fadiga, lentificação e até piora da memória. 

Mas esses sintomas também são comuns a outras situações, como depressão, doenças da tireoide, estresse cotidiano e uma rotina extenuante. 

Por isso, é necessário um exame hormonal para constatar se existe mesmo uma baixa da testosterona. Em linhas gerais, um nível de testosterona total acima de 300 ng/dL é considerado normal (por exemplo, nas recomendações da Academia Americana de Urologia), mas uma avaliação profissional individualizada é importante. 

Homens que têm sintomas e apresentam níveis baixos de testosterona são candidatos à reposição hormonal, seja com testosterona em gel ou injetável. Em alguns casos, quando os exames completos indicam uma capacidade de reação dos testículos, pode ser oferecida uma alternativa de estimular a produção do hormônio pelo corpo, em vez de suplementá-lo diretamente. 

Continua após a publicidade

Por outro lado, homens com testosterona baixa, mas sem sintomas, não devem fazer nenhuma reposição. E homens sintomáticos, mas com níveis hormonais normais, tampouco devem procurar reposição medicamentosa

Nesses casos, deve-se investigar outras causas como depressão, estresse ou hipotireoidismo. Também podem ser úteis mudanças na rotina que impulsionem a qualidade de vida e que aumentem naturalmente a testosterona, como bons hábitos de sono, atividade física e alimentação regrada. 

Em resumo, a queda hormonal masculina pode acontecer, mas não afeta todos os homens. Quando diagnosticada, deve ser tratada corretamente para restabelecer a qualidade de vida. 

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.