Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Coisas de Homens

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Sexo, libido, ereção, prevenção de doenças… O bem-estar dos homens está na mira do urologista João Brunhara, diretor médico da Omens, plataforma que trata da saúde sexual masculina
Continua após publicidade

Estamos no caminho certo no combate ao HIV?

Avanços contra o vírus da aids foram muito importantes, mas o desafio ainda é grande - sobretudo na equidade

Por João Brunhara
21 dez 2023, 10h00

É certo que não estamos mais no pior momento da epidemia do HIV. Uma doença que antes era letal hoje pode ser muito bem controlada. E de fato temos avançado de forma geral no combate ao vírus – prova disso é a redução de 25% da mortalidade por aids no Brasil nos últimos dez anos. 

São três os pilares fundamentais de enfrentamento a essa doença: testagem ampla com sorologia (o que permite o diagnóstico precoce), tratamento eficaz e facilmente disponível e métodos preventivos eficientes, dentre os quais a PrEP se destaca em anos recentes. 

Mesmo assim, estamos falando de números preocupantes: são mais de 10 mil mortes por aids por ano no Brasil, enquanto estima-se que 1 milhão de pessoas vivam com o vírus no país. 

+Leia também: HIV: a importância do conceito “Indetectável = Intransmissível”

A ONU define como meta que 95% dos infectados tenham o diagnóstico, que 95% destes recebam tratamento e que, dos tratados, 95% tenham o vírus indetectável. É o famoso 95-95-95.

Se esses objetivos forem alcançados, a tendência é que se atinja o controle populacional da doença. No Brasil, nossos números têm melhorado consistentemente desde 2014.

Continua após a publicidade

Porém, as diferenças de gênero são uma barreira para melhores resultados: estima-se que 92% dos homens estão diagnosticados, contra 86% das mulheres. Já quanto ao tratamento, 82% dos homens contra 79% das mulheres infectadas acessam as medicações, revelando um ponto que necessita de melhora. 

Cabe lembrar que, contrário a crenças que vinculam o HIV apenas aos homens, no Brasil praticamente um terço das pessoas infectadas são mulheres.

Outra desigualdade populacional apresenta um desafio ainda maior: a de raça. Desde o último boletim, tivemos uma queda dos casos novos entre pessoas brancas, mas um aumento de novos casos entre pardos e pretos. 

E não se trata de uma informação pontual. Até 2015, os novos diagnósticos eram mais comuns entre pessoas brancas, só que, desde então, isso virou – os novos casos entre pessoas negras se tornaram maioria, e essa diferença vem crescendo ano a ano.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

Essa desigualdade é verificada também na mortalidade pela doença: 61% das mortes acontecem em pessoas negras, contra 35% de brancos. Naturalmente, a diferença se explica por dificuldade de acesso às políticas: a proporção de brancos que acessam o tratamento e as estratégias de prevenção, como a PrEP, é maior do que a mesma taxa entre os negros. 

Da mesma forma, as desigualdades se repetem quando analisamos os anos de escolaridade: quanto menos estudo formal, menor a chance de acessar o tratamento e a prevenção.

De fato temos alguns motivos para comemorar em relação aos avanços no combate ao HIV. Mas, se quisermos atingir o controle populacional do vírus, precisamos fazer com que a informação e os tratamentos cheguem de forma igualitária a toda a população. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.