Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Check-up com Sidney Klajner

O cirurgião e presidente da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein levanta e debate as tendências e os desafios que interferem em nosso dia a dia e na saúde pública do país
Continua após publicidade

Qual a melhor forma de lidar com as hemorroidas?

Se você logo pensou em cirurgia, errou. Ela só é indicada em alguns casos e, na maioria das vezes, quem decide é o paciente

Por Sidney Klajner
6 dez 2022, 17h46

Você, ou talvez alguém próximo, pode ter algo em comum com celebridades como o ator George Clooney, a atriz Elizabeth Taylor, o humorista Whindersson Nunes e o cantor Belutti (da dupla Marcos & Belutti): hemorroidas.

Sim, esse é um problema antigo e democrático. Afeta homens e mulheres, famosos e anônimos.

Estima-se que metade da população tem ou terá hemorroida em algum momento da vida. Algumas pessoas sequer terão sintomas, outras sofrerão com dores, sangramentos e outros incômodos.

Basicamente, a hemorroida é a dilatação de um vaso sanguíneo da região do ânus. Todos nós temos um conglomerado de veias e artérias tanto na borda anal como na área mais interna, acima da linha que divide essa borda do revestimento intestinal. É o chamado plexo hemorroidário. Faz parte da nossa anatomia.

Continua após a publicidade

Além de predisposição genética, há uma série de fatores que, com o passar do tempo, podem levar ao desenvolvimento das hemorroidas, seja pela ação da gravidade, seja pelo efeito de situações que fazem contrair o abdômen e aumentar a pressão na pelve. Vamos a alguns exemplos:

Prisão de ventre (exige mais força para evacuar)
• Permanecer longos períodos sentado no vaso sanitário só para ler o jornal ou conferir as redes sociais
Gravidez (o útero comprime a veia cava e diminui o retorno do sangue; as pernas incham e os vasos hemorroidários, idem)
Ficar em pé muito tempo ou sentado em voos longos (com a pressão da cabine mais baixa que a atmosférica as veias tendem a dilatar)
• Praticar atividade física intensa, como treinos longos de maratonistas, e exercícios de musculação, como agachamento

+ LEIA TAMBÉM: Precisa operar? Leia antes o Check-up com Sidney Klajner

Existem hemorroidas externas, internas e as mistas. As externas costumam provocar crises de dor, porque essa é uma região com grande inervação, porém raramente sangram. Quando a crise passa e a hemorroida desincha, existe ainda a possibilidade de ficar um excesso de pele na parede anal, o plicoma, que pode trazer incômodos, dificuldade para a higiene ou um prejuízo estético.

Já as hemorroidas internas não doem, mas sangram com mais facilidade, porque a mucosa dessa região é mais frágil. Também podem ocorrer prolapsos durante a evacuação, isto é, a hemorroida sai para fora do ânus.

Outro tipo de ocorrência é a trombose hemorroidária, que é o entupimento de uma veia nessa região por um coágulo sanguíneo. A dor pode ser intensa e a maioria regride espontaneamente, podendo ser indicado banho de assento, analgésicos e anti-inflamatórios. Não é o caso de cirurgia, cuja evolução será mais dolorosa que a crise e não prevenirá novas ocorrências.

Continua após a publicidade

Cirurgia de hemorroida, aliás, só é mandatória em casos excepcionais, quando o sangramento é grande e leva à anemia, por exemplo. Fora isso, quem decide pela cirurgia é o paciente, com base no impacto que os sintomas estão causando à sua qualidade de vida.

+ LEIA TAMBÉM: O que a ciência prescreve para tratar refluxo

De forma geral, o tratamento clínico, com pomadas e medicamentos analgésicos e anti-inflamatórios no enfrentamento das crises e orientação para a mudança de hábitos, como adotar uma dieta rica em fibras a fim de evitar a constipação intestinal, funciona muito bem.

Continua após a publicidade

Em relação às cirurgias, temos as excisionais e as não excisionais. As primeiras são as cirurgias convencionais, com cortes para a remoção de hemorroidas internas ou externas. O resultado é positivo, o risco de recidiva é menor, mas o pós-operatório é dolorido.

As cirurgias não excisionais são menos invasivas, mas indicadas primordialmente para hemorroidas internas. Temos algumas técnicas para realizá-las, como a desarterialização hemorroidária transanal (TDH), que eu trouxe da Itália para o Brasil em 2009.

Nesse procedimento, que é guiado por Doppler (ultrassom que mede o fluxo sanguíneo), realizamos uma ligadura para interromper o fluxo de sangue nas artérias da área afetada, fazendo com que a hemorroida murche, e uma sutura contínua com pregueamento da mucosa para que não haja prolapso. O pós-operatório é bem menos dolorido e a recuperação, mais rápida.

Continua após a publicidade

Outra opção é o grampeamento, procedimento em que é removida uma faixa da mucosa do reto com posterior grampeamento das partes.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

Apesar de afetar uma em cada duas pessoas, ainda existe certo tabu em se falar sobre hemorroidas. Muita gente sofre em silêncio, não comenta e resiste até em procurar ajuda médica.

Continua após a publicidade

Não faz sentido, pois soluções existem – não cirúrgicas para a grande maioria e cirúrgicas nos casos em que ela é indispensável ou quando o paciente opta por operar.

Além disso, é importante procurar um proctologista porque sintomas como sangramento ou nódulos na borda anal podem estar associados a outros problemas, como fissura, malformação vascular na região e até tumores.

Por fim, uma dica para prevenir hemorroidas: inclua no cardápio verduras, frutas e cereais integrais, além de beber líquidos para garantir uma boa hidratação. Isso ajuda a evitar a prisão de ventre, uma das principais vilãs dessa história.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.