Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês
O Futuro do Diabetes Por Blog Carlos Eduardo Barra Couri é endocrinologista e pesquisador da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP), além de autor do livro O Futuro do Diabete (Ed. Abril). Aqui ele mapeia os cuidados e os avanços para o controle do problema

Estamos mais próximos de uma insulina semanal

Nosso colunista acompanhou o Congresso Americano de Diabetes e destaca os resultados animadores com uma insulina utilizada uma vez por semana

Por Dr. Carlos Eduardo Barra Couri - Atualizado em 16 jun 2020, 19h31 - Publicado em 16 jun 2020, 09h54

Todos sabemos a importância da insulina para pessoas com diabetes. Quem tem diabetes tipo 1 precisa repor o hormônio para sobreviver. E muitos indivíduos com diabetes tipo 2 necessitam fazer uso do produto ao longo da vida. Isso sem contar as mulheres com diabetes gestacional, que têm na insulina uma forma de tratamento seguro.

Apesar do seu papel imprescindível, a insulina desperta pavor de muita gente. Seja por causa da agulha, seja por supostos efeitos colaterais e mitos difundidos por aí. Daí os pacientes postergam o uso quando ela é prescrita, trocam de médico, não utilizam adequadamente…

Toda essa resistência e esse atraso na aplicação do hormônio podem elevar os valores da glicose no sangue e aumentar o risco de sequelas do diabetes (e são muitas!).

Diante desse cenário, imagine que interessante seria ter à disposição uma insulina de uso semanal. Isso mesmo: usada uma vez por semana. Várias farmacêuticas estão numa corrida para desenvolvê-la.

Continua após a publicidade

Agora, no congresso da Associação Americana de Diabetes 2020, que acontece de forma virtual, foram apresentados os dados iniciais, porém animadores, de uma insulina chamada Icodec. Trata-se de uma molécula mais estável que, após injetada no corpo, dura e atua por sete dias.

Em estudo com seguimento de 26 semanas com adultos com diabetes tipo 2, a medicação se mostrou tão eficaz quanto a clássica insulina glargina, de aplicação diária, e no mesmo nível de segurança e risco de eventos adversos. Pesquisas mais longas com maior número de pacientes, tanto com diabetes tipo 2 como tipo 1, estão programadas para ocorrer nos próximos meses.

Por estarem em fase de testes, essas insulinas semanais ainda não estão no mercado. Por isso, não podemos nos esquecer de fazer nossa parte para deixar a glicose na meta e ter muita saúde, inclusive para desfrutar dessas inovações em breve.

Publicidade