Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço coordenado pelo jornalista Diogo Sponchiato, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Ações de apoio ao SUS para resguardar os idosos da Covid-19

Gestora relata iniciativas que, por meio da telemedicina, melhoram o atendimento aos idosos em instituições de longa permanência, pronto-socorros e UTIs

Por Bernardete Weber, doutora em ciências da saúde* - Atualizado em 24 jun 2020, 19h30 - Publicado em 24 jun 2020, 10h26

Muito se tem discutido por que e como os idosos necessitam de atenção especial durante a pandemia do novo coronavírus. Eles não só estão no grupo de risco para a Covid-19 como também apresentam mais doenças crônicas. Estima-se que 70% dessas pessoas tenham quadros como diabetes, hipertensão e câncer, condições que os deixam ainda mais vulneráveis às complicações da infecção.

Há de se destacar, ainda, que 75% dessa população depende exclusivamente do Sistema Único de Saúde, o SUS, segundo o Estudo Longitudinal da Saúde dos Idosos Brasileiros (ELSI-Brasil).

O SUS tem papel central em garantir o bem-estar da pessoa idosa, e o cenário atual demanda o desenvolvimento de linhas de cuidado mais intensivas e abrangentes, principalmente no que tange à prevenção. Exemplos de como isso está acontecendo na prática são as iniciativas do Programa de Apoio do Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS).

Desde março, realizamos pelo HCor, um dos centros de saúde que integram o programa, teleconferências com gestores e funcionários de 150 instituições de longa permanência de idosos (ILPI) em diferentes regiões do Brasil a fim de orientá-los sobre estratégias de enfrentamento da pandemia. Os temas abordados contemplam desde medidas básicas de prevenção e segurança ao trabalhador até o planejamento da gestão.

Continua após a publicidade

Também temos conduzido reuniões virtuais com mais de 100 hospitais públicos em diversos estados brasileiros, abordando, entre outros assuntos, as especificidades nos cuidados à população idosa. Nesse público, já sabemos que a Covid-19 pode se manifestar com sintomas atípicos, como sonolência, confusão mental e interrupção da alimentação. Procuramos com essas ações capacitar ainda mais os profissionais de saúde para identificar e atender tais necessidades.

Ainda como suporte a secretarias estaduais e municipais de saúde, enviamos equipes para orientação no uso de novos ventiladores, sobretudo em hospitais com ampliação de leitos de UTI, hospitais de campanha e unidades de pronto atendimento (UPAs) em 14 estados com maior prevalência da Covid-19.

Graças à telemedicina também temos dado suporte a UTIs do SUS, orientando o manejo de pacientes com suspeita ou confirmação da doença. É uma iniciativa que tem beneficiado muitos pacientes, incluindo os idosos que precisam de cuidados intensivos.

As necessidades na rede pública de saúde em um país de dimensões continentais são muitas, e o sistema precisa tomar atitudes imediatas para atender bem essa população. Diante de tantos desafios, temos orgulho de sermos parceiros do SUS, apoiando seu fortalecimento e sua qualificação frente à pandemia.

Continua após a publicidade

* Bernardete Weber é doutora em ciências da saúde e superintendente de Responsabilidade Social do HCor, em São Paulo

Publicidade