Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Tomar leite diariamente pode proteger o coração, sugere estudo

Trabalho brasileiro avaliou dados de mais de 6 mil pessoas e concluiu que o hábito diminui a mortalidade por doença cardiovascular em longo prazo

Por Chloé Pinheiro
27 jun 2022, 17h58

Pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) notaram que o consumo de cerca de um copo de leite de vaca por dia pode reduzir o risco de mortes por doenças cardiovasculares. 

O trabalho usou dados do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (ELSA Brasil), investigação que acompanha 15 mil brasileiros de todo país, com questionários e exames periódicos. Isso permite uma visão de longo prazo sobre a prevalência de doenças e os hábitos de vida que influenciam o funcionamento do corpo. 

Nesse recorte específico, foram incluídos 6,6 mil participantes que não tinham doenças cardíacas no início da coleta de dados. O consumo da categoria foi avaliado por meio de questionário, e classificado em grupos distintos: laticínios totais (leite e seus derivados, do queijo ao sorvete), subgrupos com alto e baixo teor de gordura e somente leite. 

Compartilhe essa matéria via:

Os pesquisadores então avaliaram o estado de saúde dessas pessoas, em um período de 8 anos, com foco em óbitos por doenças cardiovasculares. No fim das contas, a turma que ingeria laticínios no geral – e especialmente leite – tinha um menor risco de morrer por panes no coração.

No grupo do leite, o perigo foi 66% menor em quem tomava quantidades superiores a 260 ml (para homens) e 312 ml (para mulheres). É o equivalente a mais ou menos um copo por dia

Continua após a publicidade

Como se trata de um estudo observacional, o trabalho não estabelece relação de causa e efeito. Mas os pesquisadores descartaram alguns fatores que poderiam influenciar os resultados, como idade, prática de atividade física, tabagismo e ingestão diária de vegetais. 

O trabalho foi publicado no periódico científico European Journal of Nutrition e reconhecido em uma premiação da American Heart Association. Isso porque reflete com dados o que já vinha sendo apontado por outras pesquisas: o consumo adequado de laticínios pode trazer mais benefícios do que riscos à saúde. 

+ Leia também: Leite integral: não precisa fugir dele nem de seus derivados

As gorduras saturadas do leite 

Apesar de serem fonte de cálcio e proteínas de alto valor biológico, leite e derivados passaram por um período de ostracismo por causa da gordura saturada, que também está presente na categoria. 

Mais ligado aos entupimentos em vasos e artérias e ao ganho de peso, esse nutriente deve ser limitado a cerca de 10% das calorias totais do dia. 

Continua após a publicidade

Comer com equilíbrio, contudo, é diferente de excluir totalmente a categoria do cardápio — o que tem sido feito erroneamente por alguns profissionais de saúde e pessoas, seja com foco em emagrecimento, seja por uma suposta intolerância à lactose que não chega a ser de fato investigada.  

O problema mesmo, reforçam os especialistas, está no consumo de gordura saturada em excesso, em especial a dos alimentos ultraprocessados. O estudo da UFMG também avaliou essa relação, e concluiu que a classe eleva o risco de morte por doenças crônicas — esses dados ainda não foram publicados. 

A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), em posicionamento do ano passado, não recomenda restringir os lácteos, e ressalta inclusive que há estudos relacionando laticínios com baixo teor de gordura a um risco menor de diabetes tipo 2. Os produtos com menor concentração de gordura saturada são os desnatados ou parcialmente desnatados. 

Por fim, os autores do trabalho mineiro concluem que seus dados reforçam a importância de preferir produtos in natura ou minimamente processados. Eles destacam ainda que o consumo de laticínios entre os brasileiros é baixo em comparação com outros países, embora o país seja um grande produtor do alimento. 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.