Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Probióticos, prebióticos e simbióticos: a diferença entre eles

Você já deve ter ouvido esses nomes, mas sabe o que cada um significa? Conheça os alimentos que permitem manter ou instalar uma microbiota mais proveitosa

Por André Biernath - Atualizado em 14 fev 2020, 18h28 - Publicado em 1 mar 2016, 12h52

Probióticos

São produtos cheios de bactérias saudáveis. Alguns iogurtes, queijos e o leite fermentado fazem parte da classe – também é possível encontrar probióticos em sachês e cápsulas. Os bichinhos, como lactobacilos e bifidobactérias, favorecem o trânsito intestinal, cooperam para o aproveitamento de vitaminas e defendem a região de intrusos.

Prebióticos

Podem ser definidos como o alimento para as bactérias da microbiota trabalharem direito. O sistema digestivo não consegue quebrar as fibras das comidas de origem vegetal, caso da cebola, do alho e da aveia. Os micróbios devoram esses compostos e, a partir deles, produzem substâncias benéficas à nossa saúde.

Simbióticos

A nova classe oferece o pacote completo: alia probióticos e prebióticos num único item. Produtos como alguns lácteos, biscoitos e suplementos entram na categoria – mas seu consumo, por enquanto, deve ser prescrito por um profissional. É que os simbióticos ainda são objeto de discussão: não se tem certeza dos efeitos que teriam no corpo.

Publicidade