Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Fibras para afastar o câncer de mama

Alimentação rica nessas substâncias reduziria o risco de as mulheres enfrentarem a doença

Por Thaís Manarini - Atualizado em 25 jun 2020, 08h18 - Publicado em 21 jun 2020, 09h00

Existem cada vez mais provas de que o estilo de vida influencia o surgimento de um tumor. Pois cientistas da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, decidiram entender a relação entre o consumo de fibras — presentes em vegetais e cereais integrais — e a incidência do câncer de mama.

Revisando 20 estudos, eles compararam os níveis mais altos e baixos de ingestão e notaram que a primeira situação estava atrelada a uma queda de 8% no risco da doença. “Há a hipótese de que as fibras ajudam a reduzir o estrogênio em circulação”, informa a nutricionista Letícia Carniatto, do A.C.Camargo Cancer Center, em São Paulo.

É que tal hormônio incita a proliferação de células mamárias — saudáveis ou não —, o que alimentaria o problema lá na frente. Mas Letícia pondera que o trabalho traz indícios de benefícios, e não um atestado de causa e efeito.

Só vantagem!

Incluir mais fibras na rotina propicia outros efeitos reconhecidos pela ciência:

Continua após a publicidade

Intestino regulado
Essas substâncias não só auxiliam na formação do bolo fecal como estimulam os movimentos do intestino.

Colesterol na faixa
Elas também induzem a eliminação do colesterol ruim, o LDL, que é arrastado junto com as fezes.

Saciedade em alta
Alimentos fibrosos exigem mais mastigação e têm digestão vagarosa. Logo, ficamos satisfeitos por tempo prolongado.

 

Fotos gráfico: Alex Silva (agrião, kiwi, mexerica e ameixa), Dercílio (abacate, manga e arroz integral), Fabio Castelo (aveia), Marcelo Zocchio (goiaba), Sheila Oliveira (banana) e Victor Almeida (pipoca)/SAÚDE é Vital
Publicidade