Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Dieta anti-inflamatória: isso existe de verdade?

Especialistas comentam como um padrão alimentar saudável pode conter inflamações e, com isso, possivelmente afastar doenças crônicas

Por Dan L. Waitzberg e Natália Lopes, da Nutritotal*
Atualizado em 25 abr 2023, 18h21 - Publicado em 25 abr 2023, 18h20

A chamada dieta anti-inflamatória ganhou destaque nos últimos anos por seus possíveis benefícios. Mas será que realmente funciona e quais alimentos integrariam esse cardápio?

Para começar, saiba que a inflamação é uma resposta natural do corpo a lesões, infecções e outros estímulos. Ela é disparada por células do sistema imunológico e pode ser aguda (quando aparece e some em curto período de tempo) ou crônica (com duração mais longa ou permanente).

É principalmente nesse segundo cenário que a inflamação pode contribuir ou acelerar o desenvolvimento de diversas doenças, como diabetes, obesidade, problemas cardíacos e câncer. Até mesmo o envelhecimento está relacionado a diversos processos inflamatórios.

Daí o interesse em descobrir fatores capazes de reduzir a inflamação crônica no corpo e melhorar a saúde, inclusive na alimentação.

+ LEIA TAMBÉM: Suplementos vitamínicos: uso deve ser baseado em ciência

Dieta como estratégia para prevenir a inflamação

Já conhecemos a importância da boa alimentação na prevenção de doenças crônicas, como as mencionadas anteriormente, mas será que esse papel da dieta tem alguma relação com o seu poder anti-inflamatório?

Possivelmente, sim! Dietas anti-inflamatórias vem sendo testadas como tratamento adjuvante para diversas doenças crônicas, como a colite ulcerativa, uma inflamação intestinal que compromete a qualidade de vida.

Pesquisadores canadenses testaram a eficácia de uma dieta com perfil anti-inflamatório no controle da inflamação de pessoas com colite.

Os pacientes foram orientados a aumentar a ingestão de antioxidantes, fibras alimentares, probióticos e ômega-3 e a diminuir o consumo de carne vermelha, carne processada e açúcar de adição.

Continua após a publicidade

Resultado: houve melhora metabólica e da composição da microbiota intestinal, dois fatores que contribuíram para o controle da inflamação.

+ LEIA TAMBÉM: O que é flexitarianismo

Os alimentos anti-inflamatórios contêm nutrientes específicos, como antioxidantes, vitaminas (essencialmente C e E), minerais (zinco, selênio, magnésio, cálcio) e ômega-3, importantes para o bom desempenho do sistema imunológico.

Além disso, esses alimentos são geralmente ricos em fibras e pobres em açúcares refinados e gorduras saturadas.

Continua após a publicidade

Alguns exemplos de alimentos com perfil anti-inflamatório são:

Frutas e vegetais: ricos em vitaminas, minerais, antioxidantes e outros compostos bioativos que favorecem o bom desempenho das células imunológicas. Além disso, contêm fibras, que ajudam a manter o intestino saudável e a prevenir a inflamação crônica.

• Grãos integrais: são fontes de fibras e de energia. Esse grupo precisa integrar a alimentação diária. A recomendação é optar por pães, massas e arroz integrais em vez de seus equivalentes refinados.

• Peixes: abastecidos em ômega-3, que têm poder anti-inflamatório comprovado. Valorize peixes como salmão selvagem, sardinha e atum pelo menos duas vezes por semana.

Continua após a publicidade

• Especiarias e ervas: são várias as possibilidades. A cúrcuma, por exemplo, é conhecida por suas propriedades anti-inflamatórias e tem sido usada há séculos na medicina tradicional para auxiliar na abordagem de várias doenças.

• Oleaginosas: elas carregam bastante em gorduras saudáveis, como ácidos graxos ômega-3 e ômega-6, que ajudam a reduzir a inflamação, além de serem ótimas fontes de energia. Prefira nozes, castanhas, amêndoas e sementes como chia e linhaça.

Aliás, a linhaça é uma ótima fonte de ômega-3 em dietas vegetarianas e veganas, mas que deveria ser consumida por todos. Já foi provado, por exemplo, que o consumo diário de 30g de linhaça (algo em torno de 1 colher de sopa cheia) é capaz de reduzir dor e rigidez matinal de pessoas com artrite reumatoide, uma doença inflamatória crônica.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

Açúcar e gordura em excesso devem ser evitados

Por outro lado, alguns itens podem piorar a inflamação e devem ser evitados ou consumidos com moderação. São eles:

• Alimentos ultraprocessados: são ricos em açúcar, gorduras saturadas e trans e outros ingredientes que podem contribuir para a inflamação crônica. Tente evitar biscoitos, salgadinhos, refrigerantes, embutidos e alimentos congelados industrializados.

Carnes vermelhas: possuem gorduras saturadas e outros compostos que aumentam a inflamação e risco de doenças crônicas. Tente limitar o consumo de carne vermelha a 1 ou 2 vezes por semana e aumente o consumo de frango e peixe.

Lembre-se de que uma dieta que inclui alimentos com perfil anti-inflamatório não é uma cura para todas as doenças, mas pode ser uma estratégia importante para manter uma boa saúde.

Continua após a publicidade

Se você está pensando em adotar uma dieta anti-inflamatória, converse com seu médico ou nutricionista para saber qual é a melhor opção para você.

*Este texto foi produzido pelo Nutritotal em uma parceria exclusiva com VEJA SAÚDE

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.