Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Uma batata frita mais saudável

Pois é, tudo indica que sim. Descubra como os cientistas tornaram o petisco menos nocivo à saúde

Por Karolina Bergamo Atualizado em 7 jul 2017, 12h38 - Publicado em 2 jul 2016, 10h00

A batata é um alimento cheio de nutrientes, como o potássio, que contribui para o bom funcionamento dos músculos e, de quebra, ajuda a prevenir a retenção de líquido. Além disso, algumas substâncias, como patatina e quercetina, parecem atuar como inibidoras do crescimento de tumores – principalmente de mama. Acontece que o modo de preparo pode botar tudo a perder.

É o caso da fritura, que fornece um tantão de gordura (e calorias). Tem mais um perigo: estudos indicam que um composto presente na versão mergulhada no óleo (ele se chama acrilamida) tem potencial cancerígeno. Por isso, uma das formas mais saudáveis de degustar o tubérculo é assado. Mas, convenhamos: é difícil resistir ao sabor das batatinhas fritas, não é mesmo?

Ainda bem que a ciência dá jeito para (quase) tudo.  A engenheira de alimentos Fernanda Furlan Gonçalves Dias, da Faculdade de Engenharia de Alimentos (FEA) da Universidade Estadual de Campinas, no interior paulista, descobriu uma alternativa para baixar a concentração da tal acrilamida nesse alimento. É um processo complexo, mas que consiste basicamente em neutralizar a ação de um aminoácido chamado L-asparagina, presente na batata crua. Isso porque ele é o grande responsável pela formação da substância maléfica durante o processo de fritura.

E o efeito do método usado por Fernanda é significativo. Afinal, ela conseguiu diminuir em 72% a quantidade de acrilamida na batata frita sem alterar seu gosto nem sua consistência. Também dá para fazer isso fritando o alimento por menos tempo e em temperatura menor — mas, aí, a crocância vai embora.

O estudo é preliminar e, por isso, outros testes precisam ser feitos para confirmar a viabilidade comercial da nova versão do alimento. Enquanto isso, se não resistir, prefira a batata frita preparada em casa (usando óleo novo e retirando bem o excesso da gordura), já que a industrializada é pré-frita, o que potencializa ainda mais esses efeitos negativos. E claro: não exagere.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês