saudeLOGO Created with Sketch.

Aprovado remédio que muda a forma de combater o câncer de pulmão

Anvisa autoriza uso de uma droga moderna como primeira estratégia frente a tumores de pulmão avançados

Pela primeira vez no Brasil, um tipo de câncer de pulmão avançado poderá ser combatido, logo de cara, com um medicamento moderno em vez da tradicional quimioterapia. Estamos falando do pembrolizumabe, uma droga imunoterápica da farmacêutica MSD.

“Trata-se de uma mudança significativa, porque é a única vez que uma imunoterapia tem resultados superiores aos da químio como primeira linha de tratamento do câncer de pulmão”, contextualiza a médica Mariana Laloni, coordenadora do Centro de Oncologia do Hospital 9 de Julho, em São Paulo (SP). Vamos agora entender essa história com calma.

Quem pode se beneficiar da novidade

O uso do pembrolizumabe como primeira estratégia contra cânceres de pulmão avançados (que já se espalharam localmente ou para outras partes do corpo) se restringe aos chamados tumores de não pequenas células. Para nós, basta saber que ele representa cerca de 85% dos casos no Brasil, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Além disso, para que essa arma possa ser usada logo de cara, é necessário que o tumor apresente uma expressão elevada de uma proteína chamada de PD-L1. Isso porque o fármaco age de maneira mais eficaz nesses casos — ele impede que o tumor iniba o sistema imunológico. Segundo Mariana Laloni, mais ou menos um quarto dos pacientes possuem um tumor com concentração elevada de PD-L1.

Veja também

Especificamente nesse grupo, estudos mostram que 61% permaneceram vivos após 18 meses de tratamento, contra 43% dos voluntários que tomaram um coquetel quimioterápico. E lembre-se de que estamos falando de uma doença em estágio avançado.

“De fato, quando selecionamos bem o paciente, a diferença dessa terapia é muito relevante”, analisa Mariana. “Essa é a tendência moderna: optarmos ou não por uma droga de acordo com particularidades da doença de cada um”, arremata.

E um anexo: já havia opções de imunoterápicos para cânceres de pulmão avançados como segunda linha de tratamento. Ou seja, se a químio não desse resultado, os especialistas brasileiros já podiam, por exemplo, lançar mão do nivolumabe (Brystol-Myers Squibb) para tentar frear o crescimento da enfermidade. A novidade, portanto, soma-se a uma penca de evoluções contra o câncer de pulmão.

Desafios

Embora tenha sido aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para o fim que já comentamos, o pembrolizumabe tem um longo percurso antes de se disseminar por aí. Do ponto de vista regulamentar, por exemplo, ainda será necessário avaliar a viabilidade de inseri-lo no sistema de saúde suplementar e no SUS.

Isso sem contar que, de modo a definir a tal expressão do PD-L1, é imprescindível fazer uma biópsia para investigar o tumor de perto. “E incluir mais esse teste junto com outros vai demandar treinamento e adaptação dos profissionais envolvidos”, analisa Mariana Laloni. É de se esperar que, com o tempo, essas questões sejam afinadas.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s