Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Labradores são comilões por natureza

Estudo revela que fatores genéticos devem estar por trás de uma maior tendência da raça à obesidade

Por Ana Luísa Moraes - Atualizado em 11 Oct 2018, 11h00 - Publicado em 29 Apr 2017, 10h30

Assim como nos seres humanos, o excesso de peso nos cães compromete a saúde. “O cachorro obeso fica mais sujeito a problemas cardíacos, renais, nas articulações e a várias outras disfunções”, explica Fernanda Fragata, diretora do Hospital Veterinário Sena Madureira, em São Paulo. “Em geral, vive até três anos menos que um animal com peso normal”, estima.

E essa condição pode ter raízes genéticas — pelo menos nos labradores. Cientistas da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, perceberam que a raça não consegue produzir duas substâncias que desligam a sensação de fome após a refeição. A pesquisa apontou que 77% dos labradores carregam essa alteração no DNA. O jeito é ficar mais de olho nessa e em outras raças glutonas para que não abusem da comida e fiquem no prejuízo.

Raças mais gulosas

Não é só o labrador que costuma ser comilão

  • Pug
  • Buldogue
  • Beagle
  • Basset hound
  • Dachshund
  • Poodle
  • Pinscher

Para manter o pet na linha

Medidas para seu melhor amigo não engordar

Continua após a publicidade

Caminhe

É essencial passear com o cachorro por no mínimo 30 minutos, todos os dias.

Fracione a comida

Ofereça três ou quatro refeições por dia – assim ele não fica em jejum.

Continua após a publicidade

Maneire nos petiscos

Dê, no máximo, dois por dia. Se forem grandes, quebre-os e entregue aos poucos.

Faça carinho

Brincar com o pet diminui a ansiedade e, consequentemente, o desejo de comer a toda hora.

Publicidade