Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

A era dos pais de pet

Famílias brasileiras não vivem sem seus animais de estimação — e a maioria deles já é adotada

Por Larissa Beani
17 fev 2024, 11h26

Nem millennial nem Z: a geração do momento é a P de pet. “Ela não se define pela idade, mas por ter uma maior conexão com os animais”, explica Ana Brandão, gerente de comunicação do Grupo Petz. Segundo levantamento da empresa, que ouviu 753 tutores, 88% concordam que os bichos de estimação são membros da família.

Além disso, 38% os consideram uma das cinco coisas mais importantes de sua vida (disputando lugar com pais, filhos, cônjuges e Deus, por exemplo). “É uma geração intensamente afetuosa e muito aplicada”, define Ana.

+ Leia também: Como adaptar a casa para a chegada de um novo gato?

Entre os tutores brasileiros, as principais demonstrações de afeto aos pets são brincar, conversar e abraçar — mas formas ainda mais  criativas e intensas também são comuns.

geracao-pet-grafico
Dados da pesquisa desenvolvida pelo Grupo Petz com tutores brasileiros (Editoria de arte/Veja Saúde)

Segundo o levantamento, 35% dos entrevistados já fizeram uma arte (ilustração, por exemplo) do animal, 31% administram perfis dos pets nas redes sociais, 25% já fizeram festa de aniversário para eles e 15% tatuaram uma homenagem ao bichinho.

Outra tendência da geração P é a preferência pela adoção, não pela compra. “Quase 80% dos entrevistados tem ao menos um pet adotado dentro de casa. Eles também são muito engajados na causa animal. São tutores protetores e muitos contribuem com ONGs que compartilham essa missão”, explica a gerente de comunicação do Grupo Petz.

Em suma, 63% se consideram mãe ou pai de pet. Você se identifica?

+ Leia também: 7 cuidados para antes e depois de adotar um cachorro

O lado sombrio da “peternidade”

pet-abandono
Cachorros e gatos sem raça definida são os mais abandonados (Editoria de arte/Veja Saúde)

Cerca de 30 milhões de animais vivem nas ruas do Brasil. Segundo a pesquisa nacional Animais Abandonados e Devolvidos, realizada pela Cobasi Cuida (pilar social da Cobasi), quatro a cada cinco deles são cachorros. A maioria é vira-lata, de pelo preto ou caramelo, e foi desamparada na idade adulta. Já entre gatos, os filhotes de pelagem preta são os mais negligenciados.

A principal justificativa para o crime — cuja pena varia de dois a cinco anos de prisão — é a mudança de residência. Os meses de férias (janeiro, julho e dezembro) registram mais casos. Denuncie pelos telefones 190 (Polícia Militar) ou 181 (Disque Denúncia).

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.