Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 5,90/mês

Novos livros para compreender (e lidar com) estes tempos

Lançamentos ajudam a decifrar como surgem as pandemias e trazem orientações para blindar a mente e encarar momentos desafiadores como o atual

Por Diogo Sponchiato - Atualizado em 23 set 2020, 20h34 - Publicado em 23 set 2020, 09h15

Quatro obras para entender uma pandemia

Inimigo Mortal (clique para ver e comprar)

O trabalho do epidemiologista lembra o de um detetive: ele coleta pistas e relaciona evidências aparentemente desconexas para descobrir as causas das doenças e manter vigilância sobre elas. Neste livro, experiências pessoais e epidemias globais atestam a necessidade de aliar ciência e vontade política a fim de prevenir catástrofes como a Covid-19.

Contágio

A obra de David Quammen se ancora no conceito do spillover, termo em inglês que descreve o salto de vírus e outros parasitas de animais para o ser humano, fenômeno que pode dar origem a pandemias como a do coronavírus. Em viagens pelo mundo, o autor retrata as origens de aids, gripe, ebola… E nos encoraja a ficarmos preparados para o próximo grande vilão microscópico.

A Grande Gripe

Eis um painel do que foi a gripe espanhola de 1917/18, a pandemia mais letal de que se tem notícia. Desde a gênese em solo americano até a chegada às trincheiras da Europa na Primeira Guerra Mundial, o livro desvenda o rastro de horror da doença, a reação hesitante das autoridades e os avanços científicos que nasceram do episódio — que, apesar da distância no tempo, guarda semelhanças com o drama atual.

As Regras do Contágio

O que infecções, atos violentos, ideias inovadoras, contos folclóricos e fake news têm em comum? Tudo isso pode se disseminar, chegar a um platô e se perpetuar ou deixar de circular por aí — e uns são mais, outros menos bem–sucedidos no processo. Adam Kucharski ensina essas dinâmicas sem apelar a tecnicismos e prova o valor da análise matemática no entendimento de uma epidemia (real ou virtual).

Continua após a publicidade

Quatro livros para atravessar períodos difíceis

Editoras/Divulgação

Do que Estamos Falando quando Falamos de Ansiedade, Depressão e Outros Problemas Emocionais

Já passou da hora de colocarmos os transtornos mentais no mesmo patamar de seriedade e relevância que as doenças do corpo. Eis uma das premissas deste lançamento que, por meio de entrevistas com especialistas e relatos de pacientes, esclarece e desmitifica ansiedade, depressão, TOC, dependência, entre outras condições, e traz um roteiro do que pode ajudar na prevenção e na luta contra elas.

A Arte de Ser Infeliz

Desejar controlar tudo e todos, buscar a explicação dos problemas sempre fora da gente, cobrar-se e se punir demais… São tantas as armadilhas emocionais que o ser humano pode cultivar, sem querer, a “arte de ser infeliz”. É o que aborda (e provoca) o psiquiatra gaúcho neste título que ajuda a enxergar e desarmar padrões de pensamento e atitude que, em vez de solução, só geram mais angústia.

Dá um Tempo!

Será que o tempo está passando mais depressa? Foi intrigada com a nossa correria diária e a relação acelerada com o relógio que a jornalista Izabella Camargo passou a investigar o jeito que a humanidade vem lidando (e brigando) com os minutos e segundos. Neste livro, ela conversa com filósofos, físicos, médicos e companhia e propõe que a gente pare, repense propósitos e rotinas e recoloque o tempo a nosso favor.

O Tempo do Autoencontro

Deserto é a metáfora encontrada por Rossandro Klinjey para falar dos grandes desafios com os quais deparamos em nossas jornadas. Mas, baseado em passagens e ideias bíblicas, o psicólogo pede que enxerguemos o caminho por esse ambiente ou período hostil como uma oportunidade para ressignificar nossa vida e nos fortalecermos, num percurso que, apesar das dores, conduz a uma paz de espírito.

Continua após a publicidade
Publicidade