Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Um guia para evitar danos à pele decorrentes do óleo que chegou ao litoral

As manchas de óleo cru que se espalharam pelas praias do Nordeste podem causar males dermatológicos em voluntários, moradores e turistas. O que fazer?

Por Da Redação - 31 out 2019, 14h59

De olho no maior desastre ambiental do litoral do nosso país, a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) divulgou uma série de recomendações para a população evitar danos à pele provenientes do óleo cru que está sujando as praias nordestinas. As orientações estão bastante voltadas para as pessoas que estão ajudando a limpar a orla, mas também consideram a população local e os turistas.

“A pele, quando acometida, apresenta […] dermatite de contato, sendo a forma irritativa a mais comum. O efeito piora se a pele permanecer exposta ao sol, podendo causar queimaduras”, afirmou a dermatologista Rosana Lazarini, assessora do Departamento de Alergia Dermatológica e Dermatoses Ocupacionais da SBD, em comunicado.

Além disso, o petróleo é composto por uma série de substâncias tóxicas capazes de disparar problemas hepáticos, renais e pulmonares. Até o humor e as funções cognitivas podem ser afetadas. São motivos adicionais para ficar de olho nas estratégias de proteção da SBD, que listamos abaixo:

Como se preparar antes de fazer a limpeza das praias

  1. Se houver a necessidade de contato com o óleo derramado, utilize equipamentos de proteção: óculos, luvas, roupas de manga comprida e calça (que cobrem membros superiores e inferiores).
  2. As luvas mais apropriadas são as de nitrila, e não as de borracha. Elas apresentam melhor proteção contra óleos, graxas e petróleo. Após o uso, lave-os quanto antes.

O que fazer se sua pele entrar em contato com o óleo

  1. Lave a região com muita água e sabão.
  2. A aplicação de óleos para bebês, geleia de vaselina ou até pastas utilizadas por metalúrgicos para remover graxa facilita a remoção
  3. Após a limpeza, aplique cremes ou loções hidratantes para melhorar as condições da pele
  4. Não tente retirar o óleo com solventes (aguarrás, thinner, óleo diesel, querosene ou gasolina). Esses produtos irritam ainda mais a pele, piorando a dermatite de contato.

O que turistas e moradores das regiões afetadas devem fazer

  1. Evitar o contato direto com o óleo. Isso vale especialmente para gestantes e crianças.
  2. Observar as orientações da vigilância sanitária para o consumo de alimentos provenientes das áreas afetadas, como peixes e mariscos.
  3. Não inalar vapores gerados pelo óleo.
  4. Usar protetor solar de amplo espectro, com FPS de no mínimo 30.

Quais os sintomas da exposição ao óleo

1. Irritação e dor de garganta, tosse, respiração mais difícil, coriza
2. Irritação e dor nos olhos, coceira e olhos vermelhos
3. Dor de cabeça
4. Vermelhidão da pele
5. Náusea
6. Tonturas
7. Fadiga
8. Surgimento de feridas

Ao sentir esses ou outros incômodos, busque ajuda médica imediatamente.

Publicidade