Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Tirar a barba ajuda na prevenção do coronavírus?

Homens têm raspado os pelos do rosto para se proteger da Covid-19. Infectologistas analisam a estratégia

Por Thaís Manarini
Atualizado em 18 ago 2020, 10h47 - Publicado em 1 abr 2020, 14h53

Uma mensagem espalhada nas redes sociais convida os homens a tirarem suas barbas com a finalidade de reduzir o risco de infecção pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) – orientação que teria o respaldo de órgãos de saúde. Há ainda versões que garantem que o conselho vem de um estudo feito pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos. Como prova, inclui-se uma imagem com diversos tipos de cortes de barba e a avaliação da entidade sobre qual pode ser usado – e qual é contraindicado.

Coincidência ou não, nos últimos dias algumas personalidades aderiram à medida, como o apresentador Felipe Andreoli e jogadores da seleção brasileira de vôlei. Mas será que faz sentido?

Primeiro, é bom frisar que não existe recomendação oficial sobre o assunto. Ou seja, ao contrário do que se diz por aí, nenhum órgão de saúde – do Brasil ou do mundo – estimula os homens em geral a abrirem mão da barba.

a imagem do CDC com os modelos de barbas mais adequados é de 2017. Antes, portanto, da pandemia que estamos vivendo. Mais importante do que isso: as recomendações são direcionadas a profissionais da área de saúde que precisam usar máscaras ou respiradores no dia a dia.

O infectologista João Prats, da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, conta, inclusive, que esse é o único consenso a respeito do tema. Ou seja, apenas médicos, enfermeiros e demais profissionais de saúde precisam se preocupar com a barba.

Continua após a publicidade

“Dependendo de como ela for, pode acabar impedindo a vedação correta da máscara”, justifica o médico. E o acessório precisa estar bem grudado ao rosto para realmente proteger os especialistas do contato com secreções contaminadas.

Para completar, Prats lembra que é difícil realizar uma higienização adequada do rosto fora de casa e durante a rotina de trabalho. “Por isso, especificamente no caso de profissionais de saúde, a recomendação é remover a barba”, resume.

Para o infectologista Ivan França, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo, embora não exista uma orientação formal para a parcela da população que não atua na área da saúde, há uma vantagem em tirar os pelos: “Isso facilita a higienização da área e reduz o hábito de colocar a mão no rosto”, pondera.

Continua após a publicidade

Vale lembrar que esse comportamento (tocar em nariz, olhos, boca) é contraindicado, já que eleva demais o risco de contaminação pelo novo coronavírus. Para quem deseja manter a barba, o médico sugere pelo menos apará-la.

Lavar as mãos: a melhor forma de prevenção

De acordo com Prats, quando uma informação como essa do CDC é utilizada em um contexto errado, pode gerar ansiedade e fazer as pessoas direcionarem seus esforços em medidas que não fazem tanta diferença assim. Para quem não é profissional de saúde, ele reforça que o foco deve ser na constante e correta lavagem das mãos. E no isolamento social, claro.

O recado vale para outros tipos de mensagens. Sempre que receber informações encaminhadas por redes sociais e aplicativos de bate-papo, cheque a veracidade do conteúdo. Ainda que tirar a barba não faça mal algum (e realmente facilite a higienização do rosto), outros tipos de recomendações podem ser arriscadas para a saúde.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.