Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Sem medidas de controle, mundo teria 300 milhões de fumantes a mais

Taxas de tabagismo caíram nos últimos 15 anos, mas cerca de 1,3 milhão de pessoas morrem anualmente devido ao fumo passivo, estima a OMS

Por Lucas Rocha
Atualizado em 31 jul 2023, 14h55 - Publicado em 31 jul 2023, 14h47

Ao menos 5,6 bilhões de pessoas, cerca de 71% da população mundial, estão protegidas por pelo menos uma política pública voltada ao combate do tabaco.

O número é cinco vezes mais alto do que em 2007, de acordo com um novo relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgado nesta segunda-feira, 31.

As taxas de tabagismo caíram no mundo nos últimos 15 anos devido às medidas de controle preconizadas pela instituição. A OMS estima que, sem esse declínio, haveria cerca de 300 milhões de fumantes a mais no mundo neste momento.

O documento da OMS sobre a epidemia global de tabaco, apoiado pela Bloomberg Philanthropies, concentra-se na proteção contra o fumo passivo, destacando que quase 40% dos países agora têm locais públicos internos totalmente livres de fumo.

Cerca de 1,3 milhão de pessoas morrem anualmente devido ao fumo passivo, estima a OMS.

Continua após a publicidade

Para reduzir estas estatísticas, a Convenção Quadro para o Controle do Tabagismo (tratado da entidade) tem em seu escopo a criação de ambientes livres de tabaco.

“Evidências robustas apontam que a exposição involuntária ao tabaco aumenta riscos de eventos cardiovasculares, doenças respiratórias e câncer na população em geral, e outras complicações para grávidas e fetos”, destaca o médico pneumologista Gustavo Prado, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

Prado alerta que crianças expostas à fumaça têm mais sintomas respiratórios, infecções, crises de asma e menor desenvolvimento dos pulmões. Adultos podem ter o risco de infarto e câncer aumentados em 30% em comparação àqueles que não são expostos.

Histórico e conquistas recentes

O primeiro tratado internacional de saúde pública da OMS, que tinha como foco o controle do tabagismo, foi adotado em 2003 e entrou em vigor em 2005, já com o Brasil como signatário.

Continua após a publicidade

O relatório atual avalia o progresso do combate ao fumo e mostra que mais dois países, Maurício e Holanda, alcançaram o nível de melhores práticas em todas as medidas recomendadas pela entidade. Até agora, apenas Brasil e Turquia haviam alcançado esse patamar.

+ Leia também: Cigarros eletrônicos são um perigo para a saúde bucal

“Os dados mostram que lenta, mas seguramente, mais e mais pessoas estão sendo protegidas pelas políticas de melhores práticas baseadas em evidências da OMS”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS.

Os espaços públicos livres de fumo são apenas uma das políticas no conjunto de medidas para controle do tabagismo, que incluem ainda restrições à propaganda e taxação de impostos, entre outras.

Continua após a publicidade

Além da proteção contra o fumo passivo, estes ambientes motivam as pessoas a interromper o hábito e ajudam a impedir que os jovens comecem a fumar ou usar cigarros eletrônicos.

“Se não fosse essa medida, os não fumantes sujeitos a manifestar as mesmas doenças que os tabagistas, apenas por permanecer nos mesmos espaços, mesmo que não ao mesmo tempo”, diz Prado.

saude-tabagismo-cigarro
Tabaco é a principal causa de morte evitável no mundo, segundo a OMS (Foto: Uitbundig/Unsplash/Divulgação)

Impactos para a saúde

Os mais conhecidos pela população são os malefícios para o pulmão e o risco de câncer. “Na combustão do tabaco, temos diversas substâncias que são cancerígenas e que inflamam a via área pulmonar, com risco de destruição de estruturas, podendo levar a problemas como bronquite e enfisema”, afirma o médico pneumologista José Rodrigues Pereira da Beneficência Portuguesa de São Paulo (BP)

Continua após a publicidade

Mas não é só isso. O tabagismo está relacionado ao surgimento de diversas doenças e problemas de saúde, incluindo diabetes, hipertensão, acidente vascular cerebral (AVC), tuberculose, impotência e infertilidade.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o fumo provoca a maior parte de todos os tumores de pulmão no país. Mesmo os produtos que não fazem fumaça, como o tabaco inalável ou mascado, podem levar ao desenvolvimento de câncer de cabeça, pescoço, esôfago e pâncreas, além de doenças que afetam a boca e os dentes.

Embora as taxas de tabagismo tenham diminuído, o tabaco ainda é a principal causa de morte evitável no mundo, segundo a OMS.

E o progresso é ameaçado pela ascensão dos cigarros eletrônicos, que também fazem mal à saúde, incluindo o risco de problemas respiratórios agudos, e são atraentes em especial para o público jovem.

Continua após a publicidade

A OMS também alerta que as emissões dos “vapes” geralmente contêm nicotina e outras substâncias tóxicas que são prejudiciais aos usuários e fumantes passivos.

Incidência no Brasil

A prevalência de tabagismo no Brasil é de 11,8%, incluindo o uso de cigarro convencional, de palha, de papel, charuto e cachimbo.

Os dados são do Covitel 2023 (Inquérito Telefônico de Fatores de Risco para Doenças Crônicas Não Transmissíveis em Tempos de Pandemia), que ouviu 9 mil pessoas, de todas as regiões do Brasil, entre janeiro e abril.

De acordo com a pesquisa, quem mais fuma são os homens (15,2% deles são fumantes, ante 8,7% das mulheres), pessoas do Sul do país (15,8% dos moradores da região fumam) e indivíduos com idades entre 45 e 54 anos (15,2% das pessoas nessa faixa têm o hábito).

O Programa Nacional de Controle do Tabagismo busca reduzir a prevalência de fumantes e a mortalidade relacionada ao consumo do tabaco e seus derivados no Brasil.

O Sistema Único de Saúde (SUS) oferece tratamentos gratuitos às pessoas que desejam parar de fumar por meio de medicamentos como adesivos, pastilhas, gomas de mascar (terapia de reposição de nicotina) e bupropiona, além do acompanhamento médico.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.