Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Remédios falsificados: como fugir das fraudes

Organização Mundial da Saúde conclui que 10% dos medicamentos vendidos nos países em desenvolvimento são falsos. Mas há como escapar desse baita perigo

Por Giovana Feix Atualizado em 11 jan 2018, 14h59 - Publicado em 10 jan 2018, 15h42

Remédios falsificados ou contrabandeados são um assunto sério. Sem os devidos processos que garantem segurança e efetividade, eles podem ameaçar a vida de pessoas que vão às farmácias justamente para se recuperar de uma doença. Daí porque chama a atenção um levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS) publicado no final de 2017.

Segundo a instituição, de todos os medicamentos consumidos em países em desenvolvimento, cerca de 10% são falsos. É muita coisa!

Pedro Ivo Sebba Ramalho, diretor adjunto da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), ressalta que esse tipo de produto é considerado cada vez mais raro no mercado brasileiro. “Não é possível garantir que os casos reais estejam diminuindo, mas notamos uma queda nos números de lotes recolhidos”, enfatiza. “Em 2017, por exemplo, foram registrados seis episódios”.

Apesar disso, os números encontrados pela OMS seguem alarmantes. E reforçam a necessidade de termos atenção na hora de adquirir um medicamento – até para reportar eventuais irregularidades à Anvisa.

Ao que ficar de olho na hora da compra

Aqui vão alguns pontos destacados por Ramalho, da Anvisa, e por Adriano Heleno Ribeiro, farmacêutico da rede de farmácias Extrafarma:

  • Onde comprar: opte sempre por drogarias regulares – e, de preferência, visite a loja física. É preciso tomar muito, mas muito cuidado com a compra de medicamentos na internet. Se quiser recorrer ao mundo virtual, verifique se o domínio do site é brasileiro, ou se o portal é de uma farmácia de fato.
  • Na drogaria: tenha certeza de que há um alvará sanitário, ou seja, de que o estabelecimento está regularizado pela Anvisa e pela vigilância sanitária local. Também é importante checar se existe um farmacêutico responsável presente. É obrigatório que um profissional desses esteja nas lojas durante todo o horário de funcionamento para oferecer orientações sobre os remédios. Outro detalhe superimportante é sempre pedir a nota fiscal.
  • Com o produto em mãos: A imagem abaixo, cedida pela Extrafarma, dá uma boa ideia do que observar na embalagem.
    Divergências entre os prazos de validade presentes na embalagem e na cartela de comprimidos também sugerem irregularidades. Já as raspadinhas das caixas (estão na imagem) até ajudam, mas, de acordo com Ramalho, são consideradas ultrapassadas, podendo ser forjadas.
    Além disso, é legal reparar se o produto está lacrado e se as informações na embalagem vêm escritas em língua portuguesa. Percebeu erros de ortografia na caixinha? Péssimo sinal!

Poréns sobre a pesquisa da OMS

A Anvisa traçou ponderações sobre o levantamento da Organização Mundial da Saúde. Segundo Ramalho, aqueles 10% de remédios falsificados vêm de uma média de 88 países – mas o fato é que houveram diferenças grandes nos números entre uma nação e outra. Ou seja, regiões com altas taxas de fraude teriam abalado a reputação de outras menos problemáticas.

Além disso, ele traz à tona o fato de a Anvisa estar atualmente preparando uma tecnologia nova para 2018 que substitui, de certa forma, as tais raspadinhas. É um sistema de rastreabilidade para os medicamentos que não chegou nem mesmo nos Estados Unidos e que só está presente atualmente na Argentina e na Turquia.

“Ele permite a transmissão de dados entre todos os agentes formais da cadeia farmacêutica”, explica Ramalho. “Futuramente, é possível que a gente disponibilize as informações para que alguém possa desenvolver um aplicativo ao consumidor. Mas, inicialmente, é só para a fiscalização da Anvisa”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês