Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Quase 200 lotes de remédios para hipertensão são recolhidos pela Anvisa

Uma substância com potencial de causar câncer foi encontrada em várias medicações para pressão alta. Mas não abandone o tratamento antes de ler isso

Por Da Redação Atualizado em 15 out 2019, 19h31 - Publicado em 10 Maio 2019, 16h06

Desde o ano passado, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), em conjunto com órgãos regulatórios de outros países, vem fiscalizando remédios para hipertensão que contenham valsartana, losartana ou irbesartana em sua composição. Isso porque um processo na própria fabricação poderia culminar na inesperada presença de uma substância chamada de nitrosamina, que, em excesso, causaria câncer. Até o momento, quase 200 lotes de 26 medicamentos apresentaram essas impurezas e estão sendo retirados do mercado.

Você pode encontrar a lista completa dos fármacos e dos lotes afetados aqui. Cabe ressaltar que, em vários casos, o recolhimento foi indicado por parte das próprias empresas após a detecção da nitrosamina nos comprimidos. E que esse é um fenômeno mundial, que não se restringe ao Brasil.

Segundo um comunicado da Anvisa, “a identificação dessas impurezas ocorreu de forma inesperada e pode estar relacionada à forma como a substância ativa (o insumo) é fabricada. Por isso, a Anvisa passou a investigar o caso no intuito de identificar se os medicamentos no mercado poderiam estar contaminados”.

O risco real de ter câncer é baixo

A decisão de recolher esses lotes e de suspender a fabricação e a importação das drogas para pressão alta com suspeita de contaminação é uma precaução, uma vez que a nitrosamina de fato tem potencial para causar câncer.

Continua após a publicidade

No entanto, isso acontece apenas em alguns indivíduos expostos prolongadamente a altas concentrações. As autoridades europeias calculam que, a cada 6 mil pessoas que tomaram o medicamento com contaminação na dose máxima, uma desenvolveria um tumor após cinco anos de uso em decorrência da nitrosamina. É um risco de 0,00017%.

Diante dessa probabilidade, a Anvisa recomenda não abandonar o tratamento antes de conversar com o médico. Até porque a hipertensão é perigosa e, sem um controle adequado, aumenta a possibilidade de infarto, AVC, doença renal crônica etc.

Os pacientes, portanto, devem:
• Continuar a tomar o medicamento até falar com um profissional
• Consultar a lista completa de lotes afetados e verificar se o seu medicamento se encontra ali
• Se for o caso, buscar o médico para fazer uma eventual troca. Cabe ressaltar que alguns lotes de certos medicamentos foram contaminados, enquanto outros, não. Na dúvida, busque o especialista.

Em paralelo, a Anvisa prometeu intensificar as fiscalizações e criar novas resoluções para investigar os remédios com valsartana, losartana e irbesartana. Um prazo para a adequação dos fabricantes, de modo a evitar a produção de novos lotes contaminados com nitrosamina, também está em pauta.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês