Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Pandemia atrapalha vacinação e pode deixar 80 milhões de bebês em risco

Quase 70 países interromperam campanhas de imunização infantil para doenças importantes por causa da crise do coronavírus, alerta Unicef

Por Chloé Pinheiro - Atualizado em 29 Maio 2020, 18h01 - Publicado em 29 Maio 2020, 10h25

A pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) levou vários países a interromperem campanhas de vacinação, colocando em risco a saúde de 80 milhões de bebês com menos de 1 ano de vida. O alerta foi feito recentemente pela Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Dos 129 países onde há dados sobre o tema, 68 reportaram interferências moderadas ou severas no cronograma tradicional. O abalo por causa da Covid-19 ocorre em uma escala sem precedentes desde a expansão de programas nacionais de imunização, ocorrida nos anos 1970.

“Essas interrupções ameaçam décadas de progresso na prevenção de doenças como o sarampo”, destacou Tedros Ghebreyesus, diretor geral da OMS, em comunicado à imprensa. Para ter ideia, 27 países reportaram a suspensão das doses contra o sarampo. Outra situação que chama a atenção é a poliomielite, já que 38 países interromperam a campanha contra ela.

Há mais vacinas com as quais os especialistas estão preocupados, em especial as de rubéola, cólera, meningite, tétano e febre amarela.

Continua após a publicidade

Paralisação justificada

Fora as decisões governamentais, a relutância (compreensível) dos pais em sair de casa para vacinar os filhos por medo da Covid-19 e os atrasos na entrega de novas doses em decorrência das medidas de distanciamento social são apontados pelas entidades como fatores que influenciam negativamente a adesão à imunização.

Em março, a própria OMS chegou a recomendar que os países suspendessem temporariamente as campanhas para evitar aglomerações. Agora, com protocolos mais estabelecidos de segurança nos serviços de saúde, a orientação é que os países planejem a retomada de seus calendários.

Para isso, será necessário levar em conta dados locais de transmissão e risco de coronavírus, a capacidade do sistema de saúde e o benefício oferecido pelos imunizantes à população.

Importância das vacinas

Elas são fundamentais para evitar doenças passíveis de prevenção, que poderiam gerar novos impactos sérios na saúde pública já fragilizada. Mas a OMS destaca ainda que manter o sistema de vacinação atuante pode ajudar inclusive a mitigar a Covid-19.

Continua após a publicidade

Ora, quando se anunciar uma vacina capaz de proteger contra o novo coronavírus, já haverá uma infraestrutura em funcionamento para aplicá-la em larga escala. Nos próximos dias, a entidade deve emitir uma diretriz voltada para a manutenção de serviços essenciais de saúde, incluindo as vacinas.

Vale dizer que, fora um pequeno ajuste no cronograma da vacina da gripe, o Ministério da Saúde do Brasil não anunciou mudanças no Programa Nacional de Imunizações (PNI). As Unidades Básicas de Saúde (UBS), que aplicam as doses, seguem funcionando e alguns estados até adotaram modelos drive-thru de vacinação, para minimizar o contato físico.

Publicidade