saudeLOGO Created with Sketch.

O câncer de próstata não precisa ser tratado?

Especialista debate a necessidade de usar ou não as armas da medicina para enfrentar a doença

Por Dr. Miguel Srougi*

Um em cada sete homens será atingido pelo câncer de próstata, mas somente 7% deles perecerão desse mal. Ainda assim, muitas aflições assolam a mente dos indivíduos envolvidos pela doença. Parte delas se deve à imprevisibilidade desses tumores. Entre 20 e 25% dos pacientes apresentam doença indolente, que não coloca a vida em risco. Outros 60% exibem lesões mais agressivas, mas curáveis se eliminadas a tempo. Em número menor, surgem tumores incontroláveis, que podem tolher a existência a despeito das investidas. A primeira questão controversa que emerge é: seria seguro não tratar pacientes com câncer indolente?

Logo em seguida, vem outra discussão de anos: qual o jeito mais eficiente de enfrentar os casos agressivos, com cirurgia radical ou radioterapia? Estudos antigos sugeriam que as chances de cura com a cirurgia eram maiores, mas ainda faltava um veredicto científico. Eis que pesquisadores da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, publicaram o primeiro trabalho comparando a evolução em longo prazo de pacientes abordados de diferentes formas. Por sorteio, 545 permaneceram sem tratamento, realizando só exames periódicos, 553 foram submetidos à cirurgia e 545, à radioterapia. Após dez anos, o número de óbitos foi muito baixo e igual nos três grupos, gerando certa comoção. Será que a doença não precisaria ser tratada? Teriam milhões de homens sofrido intervenções desnecessárias?

Leia também: Quando fazer um exame para detectar câncer de próstata?

Como não raro ocorre nesta ciência, as dúvidas logo se dissiparam. Compreendeu-se que as observações feitas foram reais, mas influenciadas por nuances imperceptíveis em um primeiro olhar. Para começar, cerca de 75% dos voluntários apresentavam tumores indolentes. Depois, mais da metade dos participantes não tratados no início foi submetida posteriormente à cirurgia ou à radioterapia porque houve sinais de agravamento. Finalmente, constatou-se que a disseminação da doença no organismo foi de duas a três vezes maior no grupo não tratado, que só sobreviveu porque recebeu medicações hormonais.

Diante disso, concluímos que o médico só exercerá com grandeza seu papel de guardião do corpo e da alma se levar em conta não apenas números emblemáticos mas também os sentimentos e os direitos que as pessoas têm de controlar seu destino. Quero dizer que médico e doente, em um conluio durante a travessia, devem optar por terapêuticas mais contundentes se a doença é agressiva e a sobrevida se mostra crucial ao paciente. E devem se permitir um esquema de vigilância, sem tratamento, quando as evidências indicam um tumor inofensivo e as possíveis complicações da terapia seriam intoleráveis.

*Dr. Miguel Srougi é professor titular de urologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e diretor clínico do Hospital Sírio-Libanês (SP).

Veja também
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s