Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Novo remédio para evitar enxaqueca é aprovado nos EUA

O medicamento, que pode ser injetado em doses trimestrais, chega a diminuir pela metade o número de crises. E há previsão para lançamento no Brasil

Por Maria Tereza Santos Atualizado em 15 out 2018, 14h01 - Publicado em 24 set 2018, 17h34

Boa notícia para quem sofre de enxaqueca: o U.S. Food & Drug Administration (FDA), órgão que regula os remédios nos Estados Unidos, anunciou a aprovação de um medicamento para prevenir as crises desse tipo de dor de cabeça. Ele é apenas a segunda droga voltada especificamente contra essa chateação, pode ser administrado trimestralmente e tem previsão para chegar ao Brasil.

O fármaco fremanezumabe (nome comercial: AJOVY) inibe a molécula CGRP, que está relacionada à ativação da doença e à duração da dor. E, como dissemos, traz o diferencial de poder ser injetado a cada três meses. O outro remédio disponível em terras americanas é aplicado mensalmente.

A aprovação dessa nova opção se baseou em dois estudos clínicos controlados com placebo. Participaram 2 005 pacientes com enxaqueca incapacitante, tanto crônica como episódica, que utilizavam ou não outros tratamentos preventivos orais.

Os experimentos duraram 12 semanas e, como resultado, houve a redução de 50% ou mais nos dias com dor de cabeça por mês em 41% dos casos. Os eventos adversos mais comuns foram reações no local da injeção.

E quando os brasileiros terão acesso ao fremanezumabe? A Teva, farmacêutica responsável por ele, espera que o lançamento ocorra até 2020.

Segundo o Diretor Médico do Centro de Cefaleias do Hospital Thomas Jefferson (EUA) e líder dessa fase da pesquisa, Stephen Silberstein, a enxaqueca é um distúrbio neurológico incapacitante que afeta mais de 36 milhões de pessoas nos Estados Unidos.

“Desse total, cerca de 40% são candidatas a tratamento preventivo, mas a maior parte dos pacientes não são tratados”, explica Silberstein, em comunicado à imprensa. Os outros 60% correspondem a pessoas que sofrem apenas episódios agudos, com duração de até três dias. Tratar a crise já é suficiente nesses casos.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que a doença atinge em torno de 15% da população do planeta. De acordo com Sociedade Brasileira de Cefaleia (SBC), no Brasil, 30 milhões de indivíduos sofrem com essa chateação no nosso país.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)