Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Mortes por gripe quase triplicaram no Brasil em 2018

Dados do último relatório do Ministério da Saúde apontam um aumento expressivo do número de casos e de óbitos. O H1N1 foi o vírus com maior circulação

Por André Biernath Atualizado em 15 ago 2018, 11h02 - Publicado em 19 jul 2018, 18h39

Até a segunda semana de julho de 2018, o país registrou 839 mortes por gripe, um aumento de 194% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando o número de óbitos foi de 285. Os dados foram divulgados recentemente pela Secretaria de Vigilância do Ministério da Saúde.

A taxa de infecções também foi bem elevada: foram registrados 4 680 casos em 2018 ante 1 782 em 2017. A cepa do vírus que mais causou estragos durante a temporada foi o H1N1, responsável por 567 mortes. Logo atrás, aparecem o influenza do tipo B (46 mortes) e o influenza A não subtipado (86 mortes).

Qual a explicação?

Existem diversos fatores que ajudam a entender essa subida vertiginosa. O primeiro deles seria uma possível mutação no H1N1 que levaria a uma maior agressividade do vírus no organismo. Fenômeno parecido já havia sido observado na temporada de inverno no Hemisfério Norte. Durante os meses de novembro de 2017 e fevereiro de 2048, os Estados Unidos sofreram com o pior cenário da gripe por lá desde 2009. Em terras americanas, o culpado foi outro influenza, o H3N2.

Um segundo motivo que precisa ser levado em conta foi o tempo necessário para que a meta de vacinação fosse atingida: no total, demorou três meses para que 90% do público-alvo da campanha de imunização recebesse sua dose. De acordo com reportagem do portal G1, em 2016 o mesmo objetivo foi alcançado em apenas três semanas. 

Como as pessoas demoraram a procurar os postos de vacinação, ficaram muito tempo sujeitos à infecção pelo vírus. Grupos mais vulneráveis, como idosos, crianças, gestantes e doentes crônicos, têm maior risco de sofrer com o ataque viral. Além disso, há maior probabilidade de complicações após o quadro inicial, como o aparecimento de uma pneumonia, por exemplo.

Por mais que 90% da meta tenha sido atingida, alguns estados estão bem abaixo do desejado, como Roraima (67%), Rio de Janeiro (77%) e Acre (79%). O Ministério informa que a vacina continuará disponível nas cidades que ainda tiverem estoque.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês