Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O que é, afinal, a sepse?

Essa complicação de uma infecção preocupa especialistas e autoridades. Saiba como os hospitais e a população podem combatê-la

Por André Biernath 13 abr 2019, 10h35

Eis uma descrição clássica da septicemia (ou sepse, para os mais próximos): o sujeito tem um processo infeccioso causado por uma bactéria, um vírus ou um fungo. O problema se complica aos poucos e exige uma internação. O organismo, na tentativa de lidar com a bagunça toda, reage de maneira exagerada, provocando uma inflamação generalizada que acaba prejudicando órgãos importantes, como o coração, os rins e o cérebro.

Pois, segundo levantamento inédito da Universidade Federal de São Paulo, essa condição grave apresenta uma taxa de mortalidade elevada nas unidades de terapia intensiva (UTIs) espalhadas pelo Brasil. De acordo com os achados, publicados no prestigiado periódico The Lancet Infectious Diseases, mais da metade dos pacientes que chegam a esse estágio não sobrevive.

“É urgente criar um plano de estratégias para diminuir esse impacto”, propõe a médica intensivista Flávia Machado, líder da pesquisa.

Dados sobre a septicemia assustam

  • 55,7% dos indivíduos com sepse nas UTIs do Brasil morrem
  • 40% das infecções que originam a condição se iniciam fora dos hospitais
  • 230 mil mortes por ano no país por causa da complicação

Como reduzir o risco de uma sepse

O que depende do hospital

  • Criar campanhas e programas de higiene básica para funcionários, visitantes e pacientes
  • Estabelecer protocolos para o rápido atendimento e diagnóstico dos casos suspeitos
  • Possuir equipamentos para o tratamento, como cânulas, cateteres, antibióticos, soro e adrenalina
  • Acompanhar o número de casos em suas próprias UTIs e fazer ajustes necessários

O que as pessoas podem fazer

  • Sempre manter a carteirinha de vacinação atualizada, em todos os momentos da vida
  • Aumentar a atenção com doenças crônicas, como diabetes e asma, pois o risco de sepse sobe nesses casos
  • Lavar as mãos com regularidade, especialmente ao chegar em casa, ao trabalho ou à escola
  • Saber os sinais de sepse, como fraqueza, pressão baixa, agitação, confusão mental e falta de ar
Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)