Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 5,90/mês

Espiar o DNA para se proteger dos tumores de mama e ovário

Avaliação genética auxilia a prevenir e tratar as doenças — agora com mais precisão

Por André Biernath - Atualizado em 19 jun 2020, 14h49 - Publicado em 24 jun 2020, 09h00

O futuro já começou: hoje em dia, é possível passar por um exame que inspeciona os genes e estima o risco de desenvolver um câncer de mama ou de ovário lá adiante e tomar medidas para que isso não ocorra. E não para por aí: vasculhar o DNA das pacientes, mesmo após o diagnóstico, permite selecionar o tratamento mais indicado.

Mas, no contexto brasileiro, quando esses testes devem ser feitos? “Nosso povo é miscigenado, enquanto os estudos disponíveis se baseiam em mulheres da Europa e dos Estados Unidos”, diz a geneticista Maria Isabel Achatz, do Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista.

Para tirar a limpo essa história, ela e outros cinco cientistas avaliaram as principais mutações genéticas para os tumores de mama e ovário no Brasil. Os resultados dessa análise permitem agora ter recomendações personalizadas para a nossa população. 

Avaliação genética auxilia a prevenir e tratar as doenças — agora com mais precisão
Avaliação genética auxilia a prevenir e tratar as doenças — agora com mais precisão Foto: Francesco Zerilli/Zerillimidia/Science Photo Library/Getty Images

As respostas da ciência

Confira algumas das conclusões obtidas pela investigação feita em território nacional 

Quando uma brasileira deveria realizar testes genéticos para os tumores de mama e de ovário?

De forma geral, eles estão indicados para as mulheres que tiveram um ou mais casos desses cânceres na família. Ou quando a própria paciente já sofreu com a doença antes dos 40 anos de idade. Vale frisar que o exame precisa ser feito com o acompanhamento de um geneticista, que vai ajudar a interpretar os resultados e dar as orientações necessárias.

Continua após a publicidade

Mutações nos genes BRCA1 e BRCA2 são relevantes por aqui?

Essas duas siglas ganharam fama em 2015, quando a atriz americana Angelina Jolie anunciou que seus testes tinham resultados positivos, o que motivou a retirada de suas mamas e ovários. Os BRCA1 e 2 respondem por quase 50% das alterações hereditárias que levam a esses tumores. Curiosamente, no Brasil outro gene se destaca: o TP53. Mutações nele são mais comuns entre a nossa população em comparação com o restante do mundo.

Esses exames podem ajudar no tratamento do câncer? 

Sim. Vamos usar o tumor de ovário como exemplo: se a paciente apresenta determinada mutação genética, o médico poderá utilizar uma classe de drogas chamada inibidores de Parp, que chega a ampliar o tempo de vida em até três anos. É algo muito significativo.

Como está o acesso a essas inovações? Já estão no Sistema Único de Saúde (SUS)?

Esse é um enorme gargalo no país: por mais que o preço tenha caído bastante, nem todo mundo tem condições de custear um teste genético e não há disponibilidade na rede pública. Mas tudo leva a crer que isso vai mudar nos próximos anos. 

Continua após a publicidade
Publicidade