Clique e assine VEJA SAÚDE por R$ 6,90/mês

Os 7 principais erros dos brasileiros na prevenção do coronavírus

A sociedade se conscientiza cada vez mais contra a Covid-19, mas muita gente não tem feito direito a sua parte. Hora de esclarecer para evitar a doença

Por Da Redação - Atualizado em 29 Apr 2020, 14h58 - Publicado em 23 Mar 2020, 13h30

Governantes e autoridades mundo afora têm repetido que a humanidade está em guerra contra o coronavírus. Levando a metáfora adiante, cada cidadão é também um soldado nessa batalha. Na luta para conter a epidemia, não adianta esperar que os governos e os cientistas resolvam o problema. Cada um tem de fazer sua parte e se prevenir.

Diante dos temores despertados pela crise, e ainda mais devido ao seu impacto socioeconômico, nem todas as medidas de prevenção acabam sendo cumpridas a rigor. Mas prestar atenção e seguir as recomendações corretas é determinante para escaparmos da epidemia mais rapidamente — e, o principal, evitar que casos graves e mortes se multipliquem.

Com base em nossas entrevistas e conteúdos, mapeamos a seguir sete atitudes equivocadas que, muitas vezes inconscientemente, os brasileiros podem cometer. A hora de rever esses erros é agora.

1. Não respeitar o isolamento social

Eis uma orientação unânime de médicos, biólogos e outros especialistas ouvidos por SAÚDE. Evitar ou reduzir contato social é uma das medidas mais eficientes para minimizar a circulação do vírus, reduzir a incidência de episódios graves e, assim, não deixar o sistema de saúde entrar em colapso.

Continua após a publicidade

Alguns estados, como São Paulo, já determinaram a quarentena, que restringe obrigatoriamente atividades e o tráfego de pessoas. Mesmo que a sua cidade ainda não passe por isso, a recomendação é manter o isolamento social. Isso não significa ficar 100% recluso em casa: as saídas para ir ao mercado ou à farmácia podem ocorrer, desde que em menor frequência e seguidas de boa higiene das mãos.

No caso de idosos ou pessoas que já tenham a imunidade comprometida, a orientação é fazer de tudo para não botar o pé pra fora. Pelo menos na fase de pico da epidemia.

Quem não está nem aí para essa orientação não só corre maior risco de ser infectado como de transmitir o vírus para familiares, vizinhos e companhia. Lembremos que oito em cada dez casos de infecção pelo coronavírus não têm sintomas ou apresentam apenas manifestações mais brandas. Mesmo assim, o patógeno pode ser transmitido por essas pessoas.

2. Não lavar as mãos direito

Talvez nunca você tenha ouvido tanto falar no assunto. E não é pra menos: a higiene correta das mãos é crucial para não pegar a doença ou distribui-la aos quatro cantos. Mas o uso de água e sabão têm de ser adequado. Não adianta só passar uma água ou dar aquela ensaboada de leve.

Continua após a publicidade

Os especialistas recomendam que a lavagem dure algo em torno de 20 segundos e cubra palmas, dorsos, dedos, unhas e punhos. Não precisa recorrer a sabão antimicrobiano. As versões convencionais dão conta do recado (seja em barra, seja em líquido). Se estiver fora de casa, ao desligar a torneira, tente usar um papel. Em casa, não custa recordar, toalhas devem ser trocadas com maior constância.

Lavar as mãos é rotina obrigatória ao sair e voltar de casa, especialmente se você tiver contato com alguém com sintomas gripais ou suspeita da infecção.

3. Usar as máscaras fora de contexto

O estoque de máscaras cirúrgicas e álcool em gel nas farmácias desabou. Mas tem indicação certa para usar o utensílio no rosto. Como infectologistas já ressaltaram por aqui, o uso é recomendado sobretudo para profissionais de saúde e pessoas com a confirmação ou suspeita de Covid-19. Outra situação em que ela pode ser útil é quando o indivíduo, sobretudo se não estiver com a saúde 100%, tem de se deslocar e se expor a locais com maior número de pessoas.

Fora desses contextos, não dá pra garantir uma proteção extra e ainda desfalcamos os cidadãos que têm maior necessidade do item. Outro ponto: as máscaras também possuem prazo de validade. Se ficarem úmidas, é hora de trocar e jogar fora. Mas tem de ser no lixo. Uma espiada pelas ruas de cidades da Grande São Paulo não raro se depara com máscaras descartadas no chão. Mau exemplo de cidadania.

Continua após a publicidade

4. Comprar remédios para prevenir ou tratar a Covid-19 em casa

O desabastecimento de medicamentos como cloriquina e hidroxicloriquina — prescritos para o tratamento de malária e doenças autoimunes — acendeu esse alerta. Já tem gente comprando drogas que supostamente conteriam a infecção pelo novo coronavírus. Erro grave!

Esses remédios estão em fase de estudo de emergência e ainda não há provas de que funcionam para essa finalidade. A Sociedade Brasileira de Infectologia ressalta que, até o momento, não há medicação comprovadamente segura e eficaz contra a Covid-19. O uso se restringe a ambiente hospitalar e em caráter experimental.

Aliás, não existem evidências de que nenhum remédio previna a infecção. Assim como chás e suplementos vitamínicos.

5. Compartilhar tudo que recebe pelo WhatsApp

As redes sociais têm exercido um papel positivo e outro negativo em meio à pandemia. Se por um lado ajudam a disseminar informações corretas e atualizar a população, por outro replicam conteúdos fajutos ou sem embasamento científico.

Continua após a publicidade

A primeira regra em tempos de coronavírus é: verifique a origem do texto, do vídeo ou do áudio antes de acreditar ou sair compartilhando. Priorize o material elaborado pelo Ministério da Saúde e pelos veículos de comunicação qualificados. E desconfie de qualquer solução milagrosa.

Um estudo já clássico do Instituto de Tecnologia de Massachussets descobriu que uma notícia falsa tem uma probabilidade 70% maior de ser compartilhada. Cuidado com mensagens apocalípticas, mágicas ou fora de contexto. Na dúvida, não passe adiante.

6. Estocar comida ou outros artigos

O governo brasileiro já divulgou que, pelos cálculos atuais, não enfrentaremos desabastecimento de alimentos. Não há, portanto, motivo para ficar em pânico e montar um estoque de comida, artigos médicos e afins em casa. Inclusive porque muitos itens têm prazo de validade.

Mesmo que todo o país entre em regime de quarentena, saídas para comprar mantimentos serão permitidas. Certifique-se, nesse período, de estruturar uma dieta equilibrada — a saúde vai sofrer se você largar mão de vegetais e viver à base de embutidos, congelados e outros produtos industrializados — e não compre em excesso itens que poderão faltar aos outros. Precisamos pensar coletivamente.

Continua após a publicidade

7. Ir ao hospital diante de qualquer sintoma

Não custa repetir a orientação do Ministério da Saúde e dos especialistas: a maioria dos casos de Covid-19 não tem manifestações severas nem ameaça a vida. Desse modo, a recuperação pode ocorrer em casa, lembrando, claro, de se evitar ao máximo contato com outros familiares e amigos. Além disso, outros vírus por trás de sintomas respiratórios estão em circulação, caso dos causadores da gripe e do resfriado comum.

Contudo, é fundamental procurar o atendimento médico se houver febre, falta de ar, fadiga excessiva ou o agravamento de sintomas como tosses e dores no corpo. O governo está capacitando e atualizando os profissionais de pronto-atendimentos para agilizar a triagem e encaminhar os casos realmente suspeitos para acompanhamento adequado.

Publicidade