Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Covid-19: quem é a BA.2 e o que muda a cada nova variante

Após o estrago da Ômicron, uma subvariante dela tem chamado a atenção e provocado aumento de casos pelo mundo. Veja o que sabemos sobre a nova mutante

Por Fabiana Schiavon 6 abr 2022, 12h29

Após o estrago da Ômicron, uma sub-variante dela tem chamado a atenção. Primeiro, chegou ao Brasil a BA.1, responsável pelo surto de Covid-19 ocorrido entre dezembro e janeiro. Mais recentemente, foram detectados casos de BA.2 no país. Além disso, a China estuda as características de mais uma parente dela que foi encontrada por lá.

Mais contagiosa que suas antecessoras, a BA.2 ainda é objeto de estudo, mas assusta pelo número de infectados.

No Reino Unido, ela já é responsável por mais de 95% dos casos de Covid-19, e falta pouco para que números semelhantes cheguem à França, Itália e Alemanha, segundo dados do site CoVariants.org.

Na Dinamarca, o governo comparou a velocidade de disseminação da nova mutante e da BA.1. Enquanto a anterior surgiu e rapidamente passou a responder por 29% das infecções, a BA.2 atingiu quase 40% do total de casos positivos em intervalo de tempo semelhante.

Saiba o que se descobriu até agora e porquê a mutação ganhou o apelido de “Ômicron silenciosa”.

Quem é a BA.2?

Ela é parente da variante Ômicron, então vamos relembrar a original: ela possui 60 mutações em todo o vírus em comparação ao Sars-CoV 2 “original”, de Wuhan. Destas, 32 alterações estão na proteína Spike – estrutura usada pelo vírus para infectar nossas células.

Tem outro detalhe: 15 destas 32 mutações afetam o que os pesquisadores chamam de Receptor Biding Domain (RBD), que é a capacidade de interação entre a proteína spike e o receptor da célula do hospedeiro.

“Nesta área RBD, a variante BA.2 possui quatro mutações que não são encontradas na BA.1. Estudos apontam que o maior poder de transmissibilidade da BA.2 vem daí”, explica a bióloga Maria Helena Menezes, pesquisadora do Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Uma notícia boa é que os dinamarqueses constataram que as pessoas vacinadas e com reforço transmitiram pouco a BA.2 aos seus familiares, enquanto aqueles que não tomaram nenhuma injeção passaram o vírus adiante 2,6 vezes mais rápido. Tudo indica, ainda, que os infectados pela BA.1 ficaram imunes à variante mais nova.

“Ela ganhou o apelido de ‘silenciosa’ porque nem sempre o infectado tem sintomas e, ainda, ela têm escapado dos testes PCR, dando falsos-negativos”, relata a pesquisadora. Ainda se investiga as razões desses fenômenos.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) a classifica como uma variante de preocupação, lista em que ainda está a Delta e por onde já passaram as mutantes Alfa, Beta e Gama.

Pode ser leve?

A cada nova mutação, é preciso avaliar tanto a estrutura do vírus quanto a dinâmica da pandemia para entender o comportamento dela.

“A Ômicron e suas variantes surgiram quando boa parte da população já estava imunizada, por isso não pudemos considerá-la leve, porque ela provocou a doença grave em quem não estava protegido. É a mesma coisa com a essa cepa”, alerta o virologista Fernando Spilki, coordenador da Rede Corona-Ômica, que monitora a evolução genética do vírus.

Com a BA.2, a lógica é a mesma. Dados preliminares apontam que a doença provocada por ela tende a ser mais leve, mas indivíduos não vacinados e imunocomprometidos seguem em maior risco de ter quadros graves.

Compartilhe essa matéria via:
Continua após a publicidade

Como está o Brasil?

Por aqui, ainda está predominando a subvariante BA.1. “A avaliação até agora é que há uma baixa dispersão da BA.2, com regiões que não passam de 4% dos casos. Na população brasileira em geral, ela representa menos de 1% das amostras que passam por sequenciamento genético”, afirma Spilki.

“É um movimento muito semelhante com o que ocorreu com a Delta (identificada na Índia) e a Gama (descoberta no Brasil). Elas se dispersaram rápido”, lembra o virologista.

variante covid ômicron
Primeira imagem da variante Ômicron revela mais que o dobro de mutações que a Delta Foto: Cortesia Hospital Bambino Gesù de Roma/Divulgação

Vacinas ainda nos protegem?

É provável que haja algum escape dos atuais imunizantes, mas ainda não há estudos que comprovem esse fato.

Como ocorreu no caso da primeira versão Ômicron,  em que a terceira dose teve um papel crucial na luta contra a hospitalização e mortes, as pesquisas até agora apontaram que os imunizantes continuam protegendo do agravamento do quadro.

+ LEIA TAMBÉM: Covid-19: Vacinas ainda funcionam contra a variante Ômicron

Segundo artigo publicado na revista Science, que reúne estudos sobre essa variante, os cientistas ainda não chegaram a um consenso sobre o risco de infecção entre vacinados. Dinamarqueses concluíram que mesmo as pessoas que receberam doses de reforço teriam três vezes mais chances de pegar a BA.2 do que a BA.1.

Por outro lado, os britânicos entenderam que as pessoas com doses de reforço têm o mesmo nível de proteção contra infecções sintomáticas com BA.1 ou BA.2  (63% e 70%, respectivamente).

Como lidar com a notícia de uma nova variante?

Com lacunas na distribuição das vacinas mundo, a probabilidade de surgirem variantes se mantém. É com a circulação livre que o vírus consegue tirar proveito dos hospedeiros para se multiplicar e se transformar.

A tentativa de barrar essa evolução é seguir adotando medidas preventivas e manter o calendário de vacinação em dia.

Ter cuidado é nosso padrão daqui para frente. Usar máscara é o básico, é cedo para liberar geral. O comportamento também tende a mudar. Não deve ser aceitável, por exemplo, entrar em um hospital sem proteção”, avalia Maria Helena.

+ LEIA TAMBÉM: Máscaras: dá para relaxar, mas elas seguem essenciais em locais fechados

A confiança que está transparecendo pelo mundo, com a decisão de abandonar máscaras e liberar eventos, pode estar passando o recado errado sobre o contexto da pandemia, refletem os pesquisadores.

“Claro que óbitos, casos graves e níveis de internação melhoraram, mas ainda é possível sofrermos uma reviravolta por causa da evolução do vírus, que é imprevisível. Não podemos ter um otimismo irresponsável que leve as pessoas a pensarem que não teremos mais problemas”, alerta Spilki.

“E ainda teremos de lidar com a Covid longa e outras consequências da doença no organismo de quem foi infectado”, completa Maria Helena. Mesmo com variantes “mais leves”, as sequelas do pós-Covid ainda estão sendo notadas.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês