Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Como tratar a febre amarela?

A vacina ajuda a prevenir a doença. Mas como fica o tratamento de pessoas infectadas e com sintomas de febre amarela? SAÚDE responde

Por Da Redação Atualizado em 10 jan 2019, 18h47 - Publicado em 1 fev 2018, 14h30

O primeiro passo para tratar a febre amarela direito é, assim que surgirem os sinais, buscar apoio médico. Os especialistas vão usar remédios para controlar os sintomas e, em casos graves, internar o paciente em UTIs, onde é possível contornar melhor as complicações enquanto o corpo enfrenta o vírus.

Portanto, não há um medicamento antiviral específico para vírus transmissor da febre amarela. Se a temperatura corporal sobe demais, o expert pode receitar um antitérmico. Se a dores ficam intensas, analgésicos costumam entrar em cena. E por aí vai. Há inclusive pessoas que pegam febre amarela e nem percebem: o organismo dá conta do recado sem sequer manifestar sintomas acentuados.

Uma coisa bem importante é se manter hidratado e repousar. E, acima de tudo, procurar um hospital quanto antes.

O tratamento fica mais complexo diante dos 15% de casos graves, que muitas vezes vêm acompanhados de icterícia, aquela coloração amarelada da pele e dos olhos. Nessa fase, o risco de hemorragias internas e falência de órgãos (rins, fígado…) põe a taxa de letalidade entre 20 e 50%.

Aí não tem jeito: a internação em uma UTI é mandatória. Só em um ambiente desses os médicos conseguem controlar as complicações, repor o sangue perdido por hemorragias e eventualmente “substituir” funções de certos órgãos com máquinas enquanto o organismo debela o vírus.

Agora um alerta: medicações anticoagulantes, a exemplo da aspirina, devem ser evitadas em qualquer infectado com febre amarela. Isso porque aumentam o risco de hemorragia.

Leia também: Remédio para hepatite C pode eliminar vírus da febre amarela e chikungunya

E o tratamento das raríssimas reações adversas graves à vacina? Ele segue a mesma lógica da estratégia contra a febre amarela em si. Ou seja, ir para o hospital, manter-se hidratado, descansar e lidar com os sintomas que surgirem.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês