saudeLOGO Created with Sketch.

Câncer de tireoide: os riscos do tratamento no longo prazo

Maior risco de desenvolver doenças cardiovasculares e osteoporose estão entre os problemas que a terapia para esse tipo de tumor pode causar

O câncer de tireoide tem mais de 95% de chance de cura. Como também é um tumor relativamente comum, há um número considerável de sobreviventes, que foram foco de um trabalho da Universidade de Utah, nos Estados Unidos. Ao comparar, ao longo dos anos, indicadores de saúde de 4 060 deles com dados de 18 mil indivíduos que nunca apresentaram a doença, os pesquisadores revelaram alguns efeitos de longo prazo do tratamento.

Exemplo: quem é diagnosticado antes dos 40 anos possui um risco até cinco vezes maior de manifestar inchaço ao redor do coração. Além disso, a probabilidade de sofrer com osteoporose é sete vezes maior. Outras condições, como hipertensão e arritmia cardíaca, também apareceram com mais frequência.

Leia também: Quando a tireoide abala os ossos

Os pacientes que desenvolveram nódulos malignos na tireoide depois dos 40 também foram impactados pela terapia, mas não com tanta força. Esse fato pode surpreender, porque tendemos a considerar que os mais jovens seriam mais resistentes.

Aliás, segundo Brenna Blackburn, líder do estudo, essa crença talvez seja a causa da disparidade encontrada: “Pacientes mais novos são considerados mais saudáveis, e é presumido que consigam lidar com terapias mais agressivas, que estão relacionadas a problemas cardíacos”, disse em comunicado.

Leia mais: Imunoterapia, o maior avanço contra o câncer em 2016

A pesquisa aparece em um momento oportuno: o câncer de tireoide está crescendo mais rapidamente nos Estados Unidos do que qualquer outro tipo. “É importante entender as ameaças de longo prazo para que possamos cuidar da saúde dos indivíduos e informar aos oncologistas como cuidar melhor desses pacientes desde o início”, comenta Brenna.

Leia também: Câncer de tireoide: os novos aliados do exame de TSH na detecção da doença

Só não pense agora que as armas disponíveis contra essa enfermidade devem ser aposentadas. Pelo contrário! A partir desse levantamento, é possível entender melhor suas possíveis reações adversas para maximizar seu potencial e reduzir seus danos ao organismo.

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s