Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

As queixas sexuais do homem mais velho mudaram

A impotência está em queda franca na lista das aflições após os 50 anos. Já a falta de desejo sexual aumentou. Veja os resultados de uma pesquisa

Por André Biernath 20 out 2020, 18h28

A dificuldade em ter ou manter uma ereção era um pesadelo tão grande que virou até marchinha carnavalesca: quem não se lembra dos versos de A Pipa do Vovô Não Sobe Mais? O cenário começou a mudar a partir de 1998, quando foram aprovados os primeiros remédios contra a disfunção erétil — o pioneiro foi o Viagra.

O desenrolar dessa tendência foi captado por um novo estudo do Hospital San Rafaelle, em Milão, na Itália. Após analisarem os registros de pacientes mais velhos que visitaram a instituição, os médicos notaram que, nos últimos dez anos, as reclamações sobre impotência caíram.

Enquanto isso, houve um incremento na busca por soluções para baixa libido e curvatura anormal do pênis. “Isso representa uma evolução, pois os homens passaram a entender que é importante cuidar da saúde sexual com o apoio de um especialista”, diz o médico Fernando Facio, da Sociedade Brasileira de Urologia

  • Três problemas que merecem atenção médica

    Disfunção erétil

    O que é?

    Continua após a publicidade

    O pênis não fica (ou não se mantém) ereto o suficiente para a relação sexual.

    Diagnóstico

    Vira algo mais sério quando se repete com uma frequência incômoda.

    Tratamento

    Uma vida saudável é o primeiro passo. Em geral, os remédios ajudam bastante.

    Baixa libido

    O que é?

    Continua após a publicidade

    Falta de interesse sexual. Pode ser causado por uma série de mudanças.

    Diagnóstico

    Durante a conversa, o médico vai tentar desvendar os fatores por trás do quadro.

    Tratamento

    Depende de cada um. Ajustes hormonais e suporte psicológico são algumas saídas.

    Doença de Peyronie

    O que é?

    Continua após a publicidade

    A formação de um tecido fibroso faz o pênis ereto ficar torto e sensível.

    Diagnóstico

    A análise na própria clínica já dá boas pistas para detectar a condição.

    Tratamento

    Medicamentos funcionam, mas às vezes é preciso partir para uma cirurgia.

    Continua após a publicidade
    Publicidade