Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Afta: o que é e como tratar e prevenir esse problema

Curar rapidamente essas lesões na boca ou na língua é o desejo de muitas pessoas. Saiba como evitar a afta e suas complicações

Por Chloé Pinheiro e Goretti Tenorio
Atualizado em 26 Maio 2023, 16h34 - Publicado em 30 dez 2017, 16h18

As aftas são feridas em geral dolorosas que se formam na parte interna da boca e costumam se desenvolver a partir de pequenas lesões já existentes.

Na tentativa de sarar o local, células de defesa migram até ali e acabam despertando uma reação inflamatória exagerada — daí o inchaço e a dor.

As aftas são mais comuns na área interna das bochechas, na língua ou na porção logo abaixo dela.

Sua característica mais notável é a cobertura úmida e branca no topo da ferida.

Existem dois tipos do problema. A chamada afta minor responde por 90% dos casos, é pequena (de 2 a 8 milímetros) e dura até duas semanas.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Fibromialgia: o que é, os sintomas e os tratamentos

Já a afta major, menos incidente, mede pelo menos 1 centímetro e pode demorar até dois meses para ir embora.

Ainda não se decifrou muito bem a origem das aftas nem por que elas pipocam com frequência em algumas pessoas e raras vezes em outras.

Acredita-se que o estado da imunidade e a acidez excessiva na boca contribuem para o seu aparecimento.

Continua após a publicidade

Sinais e sintomas

Confira as principais pistas que denunciam a presença de uma afta:

  • Ardor no local
  • Coceira no local
  • Vermelhidão
  • Dor no local
afta-na-boca
Afta pode causar dor e coceira na região. (Ilustração: Freepik/Divulgação)

Fatores de risco

Como comentamos, a origem e os motivos exatos do surgimento das aftas permanecem um mistério. Mas há alguns fatores de risco que costumam ser associados ao problema. Veja:

  • Condimentos em excesso na comida
  • Ingestão exagerada de refrigerantes
  • Hábito de mastigar objetos, como pontas de lápis ou caneta
  • Estresse e ansiedade
  • Distúrbios imunológicos
  • Deficiência de nutrientes como vitamina B12, ácido fólico e ferro
  • Má higiene bucal
  • Problemas gastrointestinais
  • Predisposição genética

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

Dá para prevenir a afta?

É difícil estabelecer uma estratégia 100% certeira para evitar a recorrência das aftas, mas medidas como zelar por uma alimentação balanceada, pela imunidade e pela higiene bucal garantem maior proteção contra as feridas.

Experts também aconselham investir em fontes de vitaminas B e ferro (como folhas verdes escuras) na dieta, uma vez que esses nutrientes resguardam a mucosa interna da boca.

Corrigir eventuais problemas gástricos também permite impedir a reincidência dessas lesões dolorosas.

+ LEIA TAMBÉM: A nova geração de aparelhos para os dentes

O diagnóstico

Um simples exame físico no dentista ou no médico dá a certeza de que se trata de afta.

Quando o problema demora a ir embora, aparece com frequência ou leva a complicações, como infecções por bactérias, recomenda-se procurar apoio especializado.

A avaliação clínica é importante para vasculhar se existe algum distúrbio (imunológico, digestivo…) por trás das aftas.

+ LEIA TAMBÉM: Para além dos lábios: herpes pode surgir na gengiva

O tratamento

A afta tende a desaparecer sozinha depois de duas semanas em média.

Mas, se houver desconforto demais, um especialista poderá prescrever pomadas analgésicas e anti-inflamatórias ou até mesmo medicamentos de uso oral.

Bochechos com própolis também funcionam, mas como paliativo.

Já o bicarbonato de sódio, além de ineficaz, é capaz de fazer a afta evoluir para uma queimadura.

Continua após a publicidade

Atualmente, em casos mais agressivos, dentistas chegam inclusive a aplicar raios laser de baixa potência na lesão para acelerar a recuperação e a cicatrização.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.