Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A cirurgia robótica veio para ficar

Procedimentos que usam robôs podem garantir mais precisão e segurança. Fique por dentro dessa tendência em diferentes campos, da cardiologia à urologia

Por Goretti Tenorio
Atualizado em 6 dez 2023, 16h12 - Publicado em 6 dez 2023, 11h41

Menor perda sanguínea, menos dor e desconforto no pós-operatório, diminuição do risco de complicações, cicatrizes mínimas, redução do tempo de hospitalização e recuperação mais tranquila. Esses seriam alguns dos benefícios das cirurgias com o auxílio de robôs, quando bem aplicadas.   

Isso em razão dos movimentos minuciosos proporcionados pelos braços articulados do robô, a câmera e as pinças que passam por pequenos orifícios na região do corpo operada. Posicionado em frente a um console com imagens 3D e manipulando uma espécie de joystick, o cirurgião consegue enxergar com clareza e amplitude o local da cirurgia e alcançar áreas mais desafiadoras para membros humanos.

No Brasil, já são mais de 100  plataformas de cirurgia robótica instaladas em hospitais.

+Leia também: Cirurgia robótica: nova esperança no tratamento do câncer 

Tendência em diferentes especialidades

Esse tipo de procedimento tem se tornado mais comum como alternativa para o tratamento de hérnias abdominais, retirada de vesícula e cirurgias bariátricas. Em oncologia, as pinças entram em ação para remoções mais precisas de tumores urológicos, ginecológicos, de pulmão e do trato digestivo, entre outros. 

Os anos 2000 marcaram o início do uso da cirurgia robótica pela medicina cardiovascular. Os primeiros casos foram de angioplastia – um cateter para desobstrução de artérias. 

Continua após a publicidade

Nos Estados Unidos, o sistema Corindus Vascular Robotics (CorPath) foi aprovado como opção terapêutica em 2016 – com vantagens como medir com exatidão o tamanho da lesão, contribuindo assim para a escolha e o correto posicionamento de stents, as redinhas metálicas colocadas no interior dos vasos para  restabelecer o fluxo sanguíneo. 

Compartilhe essa matéria via:

Tecnologia de ponta exige capacitação

A perspectiva de crescimento da cirurgia robótica nos próximos anos impõe também a necessidade de investir em capacitação e treinamento de equipes para atuar com essas modernas plataformas.

Em 2022, o Conselho Federal de Medicina publicou uma resolução para regulamentar esse tipo de intervenção. Ela estabelece que “os hospitais, ao implantarem Serviço Especializado de Cirurgia Robótica, devem estar estruturados e equipados para realizar procedimentos de alta complexidade”. 

O documento reforça ainda que os profissionais devem participar de um número mínimo de cirurgias e passar por avaliação de um cirurgião instrutor, que atestará sua competência na modalidade. 

Continua após a publicidade

Avanços tecnológicos no horizonte, a exemplo de braços flexíveis e uso de inteligência artificial para automatizar algumas etapas das intervenções, apontam para um futuro cada vez mais favorável aos equipamentos robóticos.

A disseminação da rede de internet 5G, por seu lado, abre a possibilidade da realização de procedimentos com o cirurgião instalado a quilômetros de distância do paciente – o que pode viabilizar o acesso em áreas remotas que não contam com profissionais especializados. 

Iniciativas nesse sentido podem estar entre os destaques das próximas edições do Prêmio Veja Saúde & Oncoclínicas de Inovação Médica, cujos vencedores de 2023 serão anunciados em cerimônia na semana que vem, em São Paulo. Saiba mais sobre a premiação e acompanhe as novidades no site da premiação.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.