Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Futebol feminino também exige condicionamento

Só uma preparação física completa evita lesões nessa modalidade, inclusive entre as mulheres

Por Theo Ruprecht
21 out 2020, 18h17

Um bom número de artigos científicos indica que treinamentos com múltiplos componentes — ora valorizando equilíbrio e flexibilidade, ora priorizando força e explosão — estão entre as melhores estratégias para escapar de contusões entre homens que se divertem com o futebol. Mas o corpo das mulheres tem atributos únicos.

Daí a importância de um trabalho da Universidade La Trobe, na Austrália. Os cientistas analisaram 12 estudos sobre prevenção de lesões no futebol feminino. Ao somar os resultados de todos, veio a constatação de que aqueles treinos que abrangem os mais variados aspectos físicos também são positivos para as mulheres.

Especificamente nelas, o método reduz em 27% a probabilidade de contusões em geral. “No entanto, das 12 pesquisas avaliadas, 11 possuíam limitações consideráveis. Novos artigos são necessários para aumentar a precisão dos achados”, pondera Benjamin Mentiplay, educador físico que assina o artigo. Pois é: a desigualdade de gênero se estende à ciência.

O joelho feminino

Na revisão australiana, treinos que incluem múltiplos componentes diminuíram em 45% o risco de rompimento do ligamento cruzado anterior do joelho — uma lesão grave e relativamente comum no futebol. Essa é uma ótima notícia, porque as mulheres sofrem mais encrencas nessa articulação. Em comparação com os homens, elas têm quadris mais largos, o que tende a empurrar os joelhos levemente para dentro. Isso, por sua vez, favorece desgastes nessas juntas.

É seguro jogar na pandemia?

Todo esporte coletivo e de contato facilita a transmissão do coronavírus. De quebra, as cabeçadas e a competitividade inerente ao futebol (que faz o jogador se esforçar bastante) podem tornar o uso de máscaras muito desconfortável. Cada caso exige uma avaliação — que envolve inclusive a situação local da pandemia —, mas há modalidades com menor risco, como a corrida ao ar livre.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.