Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Medicina

O que significa a tal da imunidade de rebanho?

Esse conceito é usado como estratégia de controle de doenças infecciosas, mas sua aplicação na Covid-19 é cercada de mistérios

por André Biernath Atualizado em 26 ago 2020, 18h46 - Publicado em 26 ago 2020 10h02

A ideia por trás

Também conhecida como imunidade coletiva, ela se vale de um cálculo utilizado por epidemiologistas e infectologistas para determinar a porcentagem de uma população que precisa receber as doses de uma vacina para que todos os indivíduos fiquem protegidos de um vírus ou bactéria — mesmo aqueles que não foram imunizados por algum motivo. Esse número varia bastante de acordo com as características da doença.

-
Ilustrações: Guilherme Henrique/SAÚDE é Vital

Principais fatores

As duas informações mais importantes para entender essa história de proteção coletiva estão no gráfico abaixo: veja como as metas se modificam de acordo com a moléstia sobre a qual estamos falando.

-
Ilustrações: Guilherme Henrique/SAÚDE é Vital

E no caso da Covid-19?

Ao falarmos do atual coronavírus, a situação fica um pouco mais complicada. Isso porque não temos nenhuma vacina ou remédio disponível. Portanto, para alcançar uma eventual imunidade de rebanho nesse cenário, seria preciso pedir às pessoas que saiam de casa e se exponham ao vírus no dia a dia. A seguir, você confere quais seriam os riscos de uma recomendação como essa.

-
Ilustrações: Guilherme Henrique/SAÚDE é Vital

Um alto preço a pagar

Existem projeções dizendo que 43% da população teria que se infectar com o vírus para atingir a imunidade de rebanho — tem estudo falando em 20%, outros em 80%. Numa conta de padaria, 86 milhões de brasileiros teriam a Covid-19. Quais as consequências? De acordo com as evidências mais recentes, algo em torno de 17 milhões de internações em hospitais e 860 mil mortes. Concorda que são números muito altos e arriscados?

-
Ilustrações: Guilherme Henrique/SAÚDE é Vital

Variações geográficas

-
Ilustrações: Guilherme Henrique/SAÚDE é Vital

Outra enorme dificuldade nessa aposta é a heterogeneidade dos números: a porcentagem de indivíduos que já foram infectados varia muito de uma cidade para outra dentro de um país tão grande como o Brasil.

Data de validade

-
Ilustrações: Guilherme Henrique/SAÚDE é Vital

A ciência ainda não sabe quanto tempo um paciente fica imune após a Covid-19. Pode ser que essa proteção se prolongue pela vida toda, mas há o risco de que ela dure só três meses — daí não existe chance de imunidade de rebanho.

Vírus mutante

-
Ilustrações: Guilherme Henrique/SAÚDE é Vital

O Sars-CoV-2 é estável e parece não sofrer mutações genéticas. Porém, não se pode descartar a hipótese de que ele passe por alterações que o deixem mais forte (ou o enfraqueçam). Com isso, o limiar de proteção se altera.

Fontes: Natália Pasternak, microbiologista e presidente do Instituto Questão de Ciência; Otavio Ranzani, médico epidemiologista da Universidade de São Paulo e do Instituto de Saúde Global de Barcelona

Continua após a publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Acesso imediato ao app da Veja Saúde, com as edições digitais, para celular e tablet.

a partir de R$ 9,90/mês