Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Relações Simplificadas

Como anda sua saúde mental? O psicólogo e psicanalista Francisco Nogueira, membro efetivo do Departamento Formação em Psicanálise do Instituto Sedes Sapientiae e cocriador da consultoria Relações Simplificadas, reflete sobre as questões da mente humana para lidarmos melhor com os desafios do mundo de hoje
Continua após publicidade

Um povo que cai: a ansiedade entre os brasileiros

Por que somos o povo mais ansioso do planeta?, indaga nosso colunista ao rever as estatísticas e a história do nosso país

Por Francisco Nogueira
25 nov 2022, 17h43

O adoecimento pela ansiedade acomete quatro em cada dez brasileiros, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Isso nos faz o povo mais ansioso do mundo! É um dado que surpreende muita gente e levanta, inevitavelmente, a pergunta: por quê?

Antes de mais nada, não devemos patologizar qualquer tipo de ansiedade, pois esse é um sentimento comum e natural. Todos nós nos sentimos ansiosos com frequência. Quando a ansiedade se manifesta de forma pontual e saudável, cumpre funções importantes à nossa vida.

A ansiedade “comum” é aquela que nos põe em movimento, nos informa sobre os perigos ao redor, nos alerta diante de possíveis desequilíbrios ou sofrimentos físicos e psíquicos.

A questão é saber distinguir a ansiedade “comum” de uma ansiedade que carece de cuidados.

Para quem não é profissional da área “psi”, existem três observações simples que ajudam a fazer essa distinção: a primeira é se o sentimento de ansiedade é muito maior e desproporcional em relação à sua causa; a segunda é observar se a experiência da ansiedade é longa e se arrasta por dias ou semanas; e a terceira é notar se a ansiedade começa a interferir nas atividades cotidianas, tornando-se um impeditivo para experiências do dia a dia e implicando em problemas de saúde ou perdas sociais e profissionais.

Mesmo assim, às vezes o afastamento que estabelecemos em relação ao nosso mundo interno é tão abissal que só conseguimos descobrir o tipo e o nível de ansiedade com o apoio de um profissional, apto a fazer um diagnóstico e ajudar o indivíduo nesse processo.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Estamos vivendo uma epidemia de sofrimento psíquico?

Mas aquilo que realmente deveria nos deixar inquietos – e talvez ansiosos – diz respeito ao nosso lugar de destaque como o povo que mais sofre desse transtorno mental no planeta.

No filme Um Corpo que Cai, de Alfred Hitchcock, o ex-policial John Ferguson enfrenta uma situação traumática e passa a sofrer de acrofobia, um entre tantos outros estados patológicos da ansiedade. Pergunto: seríamos, como o protagonista do filme, um povo traumatizado?

Françoise Davione e Jean-Max Gaudillière, em seu livro História e Trauma: A Loucura das Guerras, revelam que os sintomas e crises psíquicas e emocionais das pessoas são, muitas vezes, reflexo de traumas históricos e sociais acumulados. O trabalho desses autores traz relatos de pacientes que enfrentaram momentos catastróficos, como no caso do personagem de Hitchcock e talvez também da nossa população.

A cena que traumatiza o protagonista de Um Corpo que Cai acontece depois de uma perseguição a um bandido que fugia pelos telhados dos edifícios. Ferguson escorrega e fica pendurado em uma calha no alto do prédio. A vivência do perigo, a antecipação da queda e a proximidade da morte convergem em um trauma que produz os sintomas do qual padece no filme.

Continua após a publicidade

Da mesma maneira, se olharmos atentamente para a nossa história, podemos enxergar nossas quedas. A escravidão, o genocídio dos povos indígenas e originários, a violência contra os cidadãos “diferentes” e a comunidade LGBTQIA+… Exemplos não faltam. Em comum, eles nos ajudam a entender a origem de muitos dos nossos traumas.

Nossa queda histórica e social aparece todos os dias estampada na capa dos jornais. E se repete através da violência e do desamparado perpetrados pelo Estado e por uma parcela do povo brasileiro que não respeita o outro, sobretudo as minorias.

A nossa queda é lembrada, também, pela insegurança vivenciada por cada pessoa ao caminhar pelas ruas dos grandes centros urbanos, no desmatamento (sabia que hoje já existe a eco-ansiedade, segundo a Associação Americana de Psicologia?), na insegurança alimentar, na fome que voltou a se abater sobre muitos… Para o brasileiro médio, a morte e a violência são, quase sempre, fantasmas presentes.

Nessa perspectiva, combater tais mazelas é uma forma de cuidar, no presente e no futuro, da saúde mental da nossa população. E é um passo essencial para nos tirar do primeiro lugar no ranking global da ansiedade.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.