Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Pediatria Descomplicada Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Garantir saúde, carinho e bem-estar na infância. Esse é o objetivo de cada linha escrita por Kelly Oliveira, pediatra e consultora internacional de amamentação.
Continua após publicidade

Parentfulness: a arte de estar presente

Distrair-se menos enquanto está com os filhos traz benefícios significativos para eles. Nossa colunista traz dicas para enfrentar a parentalidade distraída

Por Kelly Oliveira
17 jan 2024, 16h04

Enquanto escrevo este texto, tem um pequeno ser do meu lado brincando com suas bonecas e a outra pequena no tapetinho dando gritinhos para chamar a atenção da irmã. A rotina de uma mãe (e de um pai), especialmente com a ampliação do home office, tem sido cheia de momentos como este: trabalho, e-mails e teleconsultas entrelaçados com brincadeiras, banhos e sonecas.

Muitas vezes, brincar pertinho não é suficiente e elas demandam minha atenção exclusiva e lá vou eu – parar tudo o que estou fazendo para atendê-las (ou peço um instante para finalizar minha atividade). A verdade é que – sabemos disso, mas sempre precisamos nos lembrar – filhos demandam nossa atenção.

E às vezes demandam muito. A dificuldade hoje em dia e que inclusive tem sido grande objeto de estudo é a forma como nós, pais, temos lidado com o celular, os e-mails e as constantes interrupções da vida adulta e a atenção que damos aos filhos.

Tal influência cunhou o termo parentalidade distraída, que nada mais é do que o ato de parentar, ou seja cuidar e criar o filhos de maneira dividida, ou pior, distraída. Há uma competição com o celular, principalmente.

Continua após a publicidade

Um estudo americano publicado em 2017 revela que americanos – no geral – checam o celular cerca de 80 vezes por dia, o que representa o olhar para a tela do smartphone a cada 12 minutos. Doze minutos!

+Leia também: Memórias reais numa era digital: a essência da infância

Pai, mãe, você acha que se enquadra nesse montante? Muito provavelmente, sim. O celular não necessariamente é para redes sociais – apesar de ser uma baita distração – mas também tornou-se instrumento de trabalho, direção e organização.

Continua após a publicidade

Portanto, a nossa dependência pode até ser justificada. No entanto, ela tem consequências sérias para os nossos filhos e o fenômeno da parentalidade distraída – que se refere a divisão da nossa atenção – tem demonstrado os efeitos que essas constantes interrupções no tempo dedicado aos filhos tem causado.

Um estudo do Center on the Developing Child da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, demonstra a importância da atenção às crianças. Ele conclui que é por meio de gestos, expressões faciais e barulhos que os bebês vivenciam o mundo, e associadas a resposta e a interação dos adultos, conexões neurais são feitas e a arquitetura cerebral se desenvolve.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

Pense, por exemplo, em como as crianças aprendem palavras novas. Elas veem o objeto e os adultos falam o nome do objeto múltiplas vezes e este processo resulta na conexão, em uma esfera cerebral, entre o som emitido e o visual.

Portanto, para o desenvolvimento da linguagem e posteriormente, para a alfabetização, as crianças precisam de interação.

Quando os pais permanecem continuamente atentos apenas ao celular, interrompendo os momentos de brincadeira para ler e-mails e checar as redes sociais, a resposta esperada pelo cérebro da criança não é atingida e as conexões cerebrais não são estabelecidas de forma eficaz.

Continua após a publicidade

Um estudo do mesmo órgão citado acima de Harvard concluiu que essa ausência de resposta ativa o sistema de estresse – que pode ser controlado se houver adultos para acalentar. Por outro lado, a ativação intensa do sistema de estresse gera danos permanentes: prejudica a arquitetura cerebral responsável pela aprendizagem e pelo raciocínio.

Percebe como é importante, portanto, o olhar no olho, as brincadeiras e atividades entre pais e filhos? Até a amamentação é estimulada pelo olhar entre mamãe e bebê, que deflagra a secreção dos hormônios responsáveis pela liberação do leite.

É claro que não é possível – e nem devemos – estar 100% do tempo com nossas crianças e atendendo suas demandas porque precisamos dar espaço para elas aprenderem a ser independentes, brincarem sozinhas e a se acalmarem. O que estou querendo alertar com este texto é sobre o perigo de nos distrairmos continuamente durante os períodos de interação com nossos filhos.

Continua após a publicidade

Precisamos deixar o celular e o computador de lado sempre que possível para termos momentos de atenção completa e ininterrupta com as nossas crianças. E eu sei que não é uma tarefa fácil. Não estou aqui apenas para apontar o dedo, mas também para trazer soluções, por isso, gostaria de deixar algumas orientações práticas:

  • Interaja com seu bebê mesmo que ele apenas balbucie. A comunicação precede a linguagem e a conexão acontece a todo momento
  • Reserve um período do dia apenas para eles e longe do celular. Chame esse momento de um nome especial. Com o tempo, eles pedirão por ele
  • Configure os modos de silêncio das notificações em todos os aplicativos e na tela de bloqueio do celular. Isso nos distrai ainda mais e nos tira do que é mais importante
  • Saia para passeios e deixe o celular na bolsa (foque em ter momentos reais e memórias eternas ao invés de foto no celular)
  • Priorize atividades que fortaleçam o vínculo afetivo, como leituras e brincadeiras em família com experiências sensoriais. Também vale criar algo juntos, como uma receita de bolo ou mesmo um próprio brinquedo

+Leia também: TDAH: o que é, como diagnosticar, e quais são os tratamentos

Eu sei o quão importante a reunião do seu chefe pode parecer, ou aquela ligação não pode esperar.

Mas são os nossos filhos que, no futuro, se tornarão os líderes de nações, pais, professores e profissionais que moldarão as próximas gerações. É nossa responsabilidade fazermos o melhor que pudermos para que eles cresçam e se desenvolvam no melhor ambiente possível, e este ambiente só pode ser provido se houver pais que estão verdadeiramente atentos.

Então, fica meu apelo a você, pai e mãe: desligue o celular e conecte-se com quem realmente importa: seus filhos.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.