Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

O Futuro do Diabetes Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Carlos Eduardo Barra Couri é endocrinologista, pesquisador da USP de Ribeirão Preto e criador do Endodebate e do Diacordis. Aqui ele mapeia os cuidados e os avanços para o controle do diabetes
Continua após publicidade

Remédios para diabetes: farmácias devem exigir receituário médico?

Falta de medicamento por demanda de uso fora de bula reacende discussão sobre o que requer prescrição médica especial

Por Carlos Eduardo Barra Couri
10 mar 2023, 09h00

O deputado federal Eduardo Bismarck, do PDT do Ceará, apresentou à Anvisa a sugestão de que os medicamentos à base de semaglutida, liraglutida e dulaglutida, usados no tratamento do diabetes, passem a ser vendidos em farmácia apenas com a apresentação do receituário médico especial tipo C1.

Esse é um receituário branco em duas vias que permite fazer o controle das prescrições e dispensações pelas drogarias.

Segundo a assessoria do deputado, o principal motivo da solicitação é haver uma grande demanda por esses remédios sem o respectivo atendimento médico, e ainda para situações que não constam em bula.

O estopim parece ser um comunicado recente da farmacêutica Novo Nordisk sobre a possibilidade de falta do medicamento semaglutida injetável 1 mg devido à enorme demanda mundial. A principal suposição para a procura sem receita médica é o uso para tratar excesso de peso (um dos efeitos da medicação).

Só que, nesse caso, a indicação em bula do remédio é tratar o diabetes, e não a obesidade. Com tamanha demanda, pessoas que utilizam a semaglutida para controlar os níveis de açúcar no sangue podem ficar sem o tratamento.

No pano de fundo, a grande pergunta é: devemos solicitar receita controlada somente para medicamentos contendo semaglutida, liraglutida ou dulaglutida?

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Novos remédios e velhas dilemas diante da obesidade

Todos os remédios para tratar diabetes possuem efeitos benéficos e também potenciais efeitos colaterais. O que dizer sobre a venda de insulina sem receita médica? Seu uso incorreto pode gerar hipoglicemia, convulsão e até morte.

Outros medicamentos de uso oral para o diabetes tipo 2 também podem promover maior risco de queda na glicose, diarreia, dores abdominais, insuficiência cardíaca… Existem contraindicações individualizadas e ajustes de doses, como no caso de pacientes com insuficiência renal crônica.

E vamos além: pessoas com diabetes comumente tomam medicamentos para pressão alta e colesterol. São comprimidos importantíssimos, mas que não deixam de ter seus eventos adversos. Aliás, isso também vale para remédios de uso corriqueiro, como antitérmicos, antiácidos e antigripais.

+ LEIA TAMBÉM: Outros artigos do blog O Futuro do Diabetes

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR

A grande questão aqui é estabelecer uma ponte entre médico e paciente. Avaliar caso a caso. Orientar.

Sabemos que a automedicação é um problema de saúde pública. Em vários países a compra de remédios só acontece via apresentação da receita médica.

Não seria um bom momento para o Brasil discutir, como sociedade, a necessidade de receita controlada para a compra de medicamentos, especialmente os de uso crônico? Acesso, engajamento, segurança… Tudo isso está em jogo. Não há respostas fáceis.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.