Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Foco na Criança

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Caminhos para uma infância mais saudável e com o melhor suporte médico são o mote dos artigos do pediatra Felipe Monti Lora, CEO do Sabará Hospital Infantil
Continua após publicidade

Vírus sincicial respiratório (VSR): o patógeno que tira o sono dos pais

Especialista discute o imunizante recém-aprovado nos Estados Unidos, mudanças no padrão de disseminação e a perspectiva de vacinas

Por Felipe Monti Lora
24 jul 2023, 10h24

Com o inverno em alta e uma oscilação constante na temperatura, as crianças sofrem constantemente com crises respiratórias, em sua maior parte causadas por agentes virais.

Em nosso hospital pediátrico, mais de 90% dos testes que pesquisam diversos tipos de vírus (em uma parcela mais preocupante dos pacientes internados) são positivos nesse período.

E um dos que mais aparece é o vírus sincicial respiratório (VSR), causador da bronquiolite e pneumonia. São doenças que acometem crianças de todas as faixas etárias, tendo maior risco de complicações e sequelas em menores de dois anos.

+ Leia também: VSR: vírus respiratório perigoso para bebês está em alta

O VSR também é um risco para as portadoras de certas condições, como antecedente de prematuridade, displasia broncopulmonar, asma, síndromes genéticas, algumas doenças do coração, imunodeficiências e doença neuromuscular severa.

Os sintomas surgem como os de um resfriado, causando congestão nasal, tosse seca e febre, que podem evoluir com dificuldades na respiração após 2 ou 3 dias.

Na maioria dos casos, a criança pode ser tratada em casa. Entretanto, caso a respiração ou a nutrição comece a ser comprometida, a criança deve ser levada para avaliação de um pediatra.

Continua após a publicidade

Mudanças em como ele nos afeta

O VSR tem comportamento historicamente típico, com surtos ao redor do mundo. Em nosso meio, circula no período de outono e inverno, com picos em abril e maio.

Sua sazonalidade sofreu alteração com as medidas pandêmicas de proteção infecciosa, que também reduziram outras doenças respiratórias além do Covid-19.

Com o retorno ao “normal”, a circulação do VSR fora das estações esperadas foi evidenciada. Por exemplo, tivermos surtos em em janeiro de 2023, pleno verão! O seu padrão sazonal futuro exato ainda é desconhecido.

Continua após a publicidade

No Sabará Hospital Infantil, em São Paulo, o VSR foi responsável por 30% das suspeitas de bronquiolite. No boletim Infogripe, divulgado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ele respondeu por 48,6% do total de casos de síndromes respiratórias graves no período de 16 a 22 de abril.

+ Leia também: Nova vacina para resguardar os idosos do vírus da bronquiolite

Como lidar melhor com o VSR

De acordo com um estudo publicado pelo periódico The Lancet, só em 2019, o vírus sincicial respiratório foi o responsável pela morte de 100 mil crianças em todo o mundo.

Continua após a publicidade

Como forma de reduzir o risco de gravidade, existem os anticorpos monoclonais específicos contra o VSR, aplicados em crianças mais susceptíveis durante os meses de maior circulação do vírus.

Hoje, já temos no Brasil o pavilizumabe em uso e, recentemente, foi aprovado pela agência regulatória norte-americana Food and Drug Administration (FDA) o nirsevimabe – com maior conforto posológico e promessa de atingir um maior pool de crianças.

O anticorpo monoclonal é diferente da vacina. Ele apresenta anticorpos “prontos” para defender a criança do vírus, uma ação temporária e delimitada. Já a vacina ensina o sistema imune a fabricar seus próprios anticorpos.

Continua após a publicidade

Para reduzir em definitivo o risco sazonal, uma vacina amplamente administrável seria necessária.

Há esperança com a aprovação em maio deste ano da primeira vacina contra o VSR também pela FDA e a opinião favorável da Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

Por ora, a proposta de uso dessa vacina se limita à aplicação em mulheres no final da gestação, visando transmitir os anticorpos produzidos pela mãe para o bebê nos primeiros meses de vida.

Continua após a publicidade

Essa estratégia reduziria casos graves de doença, uma vez que crianças menores têm o maior risco.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.