Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Foco na Criança Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Caminhos para uma infância mais saudável e com o melhor suporte médico são o mote dos artigos do pediatra Felipe Monti Lora, CEO do Sabará Hospital Infantil
Continua após publicidade

A importância do ecocardiograma fetal no diagnóstico de cardiopatias

Entenda tudo sobre esse exame tão fundamental durante a gestação

Por Felipe Monti Lora
Atualizado em 13 out 2023, 17h20 - Publicado em 13 out 2023, 17h00

O Ministério da Saúde estima o nascimento de cerca de 30 mil crianças com cardiopatia anualmente no Brasil.

Além de ser a alteração congênita mais comum, essa malformação representa a terceira principal causa de mortes em bebês durante o primeiro mês de vida (cerca de 10% entre os recém-nascidos).

As cardiopatias congênitas são anormalidades estruturais do coração que surgem ainda na sua formação durante as primeiras oito semanas de gestação e ocasionam consequências no funcionamento do órgão, geralmente após o nascimento.

+ Leia também: Uma a cada mil crianças nasce surda ou com perda auditiva severa

Um dos principais exames recomendados durante a gravidez é o ecocardiograma fetal.

Continua após a publicidade

Esse procedimento avalia a anatomia e função do coração do feto, identificando qualquer tipo de anormalidade e permitindo o aconselhamento e definição de estratégias para o tratamento.

Para entender melhor a importância desse exame, conversamos com o médico Gustavo A. G. Fávaro, cardiologista e ecocardiografista pediátrico e fetal do Sabará Hospital Infantil.

O que é o Ecocardiograma fetal?

É um exame de imagem que utiliza ondas sonoras de alta frequência para avaliar a saúde do coração do bebê, ainda no útero materno. Ele é semelhante ao ultrassom.

Pode também ser chamado de ecografia.

Continua após a publicidade

+ Leia também: Os perigos do tabagismo na adolescência

Qual a função deste exame?

Ele mostra todo o funcionamento do coração do bebê antes de seu nascimento. Pode determinar, por exemplo, o fluxo e velocidade do sangue, tamanho, estrutura e desenvolvimento do coração, verificando qualquer anormalidade o mais cedo possível.

Quando deve ser feito o ecocardiograma fetal?

É recomendado que esse teste seja realizado entre a 18ª e a 30ª semana de gestação, sendo o tempo ideal por volta de 28 semanas.

Quando a gravidez é considerada de alto risco, o obstetra pode indicá-lo a partir da 14ª semana.

Continua após a publicidade

Esse exame traz algum tipo de risco ao bebê?

É um exame extremamente seguro, como o ultrassom por exemplo. Não representa nenhum tipo de risco ao feto ou à gravidez.

Em que situações o exame é mais indicado?

Em geral, ele é recomendado para todas as gestantes como parte do pré-natal, por conta da dificuldade de analisar o coração no ultrassom tradicional. Mas em alguns casos é ainda mais importante, seja por questões relacionadas ao bebê, à mãe ou histórico familiar.

No que tange os bebês, podemos destacar as gestações múltiplas, arritmias, baixo crescimento intrauterino e outras malformações congênitas.

Em relação às mães, as gestações durante a adolescência ou após os 35 anos são consideradas de risco; e outros fatores que reforçam a necessidade do exame são aborto anterior, cardiopatia congênita, diabetes, infecções virais, doenças inflamatórias autoimunes e uso de drogas e álcool, que podem afetar o sistema nervoso central e a formação do coração.

Continua após a publicidade

Caso haja histórico familiar de cardiopatias congênitas ou algumas síndromes genéticas, existe indicação absoluta para a realização da ecografia no feto.

+ Leia também: Diálise peritoneal em crianças: do cuidado em casa ao transplante renal

Como o ecocardiograma é realizado?

Ele pode durar de 10 a 30 minutos, e é simples e indolor. Normalmente, é realizado por cardiologistas pediátricos, com o mesmo aparelho que faz o ultrassom, posicionado na barriga da gestante.

O equipamento emite ondas sonoras de alta frequência, que são processadas e convertidas em imagens que serão avaliadas pelo médico. O doppler (fenômeno relacionado às ondas sonoras) nos permite ouvir os batimentos cardíacos do feto.

Continua após a publicidade

O que acontece caso seja identificada alguma anormalidade cardíaca?

Quando o exame revela alterações, é preciso uma avaliação completa e individualizada, considerando resultados de outros exames, histórico e logística familiar.

Essa investigação minuciosa é fundamental para o aconselhamento dos pais sobre a cardiopatia e definição das ações para ajudar o bebê e sua mãe no tratamento.

O diagnóstico precoce de uma cardiopatia congênita possibilita um tratamento adequado, eficaz e seguro.

O Sabará Hospital Infantil possui o Programa de Terapia Fetal e Neonatal, que integra em sua estrutura exclusivamente pediátrica o atendimento integral de gestantes com fetos com qualquer tipo de malformação.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.