Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Falar Inspira Vida

Neste espaço, especialistas e articulistas vinculados ao Movimento Falar Inspira Vida promovem orientações e discussões sobre cuidados com a saúde mental e o controle de doenças como a depressão
Continua após publicidade

Saúde mental de mulheres: o que temos para comemorar?

Há uma maior prevalência de transtornos mentais entre elas. Entenda as razões e como identificar se você ou alguma mulher próxima precisa de ajuda

Por Karen Scavacini, psicóloga*
8 mar 2023, 09h50

Como estão as mulheres em torno de você? E as que vieram antes, e as meninas que estão crescendo ao seu redor? O quanto você observa, conversa, ajuda e aceita ser ajudada por elas?

Você já parou para analisar suas origens e as vivências das mulheres com quem convive e conviveu? Identifica quais tiveram questões de saúde mental, sofreram abandonos e violências, abdicaram de seus sonhos e quais seguiram em frente, refizeram seu caminho e se apropriaram de suas histórias?

Há uma prevalência maior de distúrbios mentais entre elas – 1 a cada 5 mulheres sofrem de problemas como depressão e ansiedade. Para ter ideia, atualmente a depressão é a maior causa de afastamentos de trabalho no mundo – e é 50% maior entre mulheres.

Ao tratar desse tema, precisamos olhar para além dos fatores biológicos associados, como questões hormonais, alimentação inadequada e genética.

Saúde mental é multideterminada, isto é, é influenciada por diversos aspectos, como os determinantes sociais.

Continua após a publicidade

+ Leia também: A ciência da felicidade

Fora os desafios de acesso a trabalho, alimentação, moradia e educação, vale lembrar que estamos diante de uma sociedade acelerada, de aparências moldadas, que muitas vezes mostra vidas perfeitas. Ainda lidamos com o machismo, a estrutura patriarcal e racista e os efeitos da pandemia.

Um estudo da Universidade do Porto, em Portugal, mostra que mulheres vítimas de violência tem duas vezes mais probabilidade de terem doenças mentais, pensam 8,6 vezes mais no suicídio e tem 13 vezes mais risco de apresentarem comportamentos de risco para a saúde, como o abuso de álcool e outras substâncias.

Para piorar, existe uma passividade dos médicos na detecção das vítimas.

Continua após a publicidade

Os abusos, a dependência financeira, o desemprego, a diferença salarial, a vulnerabilidade relacional, as perdas, as questões sociais, a pressão estética e o acúmulo de sobrecargas são outros fatores que influenciam a saúde mental.

Dependendo do tipo de situação, em vez de pedir ajuda as mulheres tendem a ficar mais caladas – e, pior, acabam subjugadas e revitimizadas.
A autenticidade do sofrimento é questionada, assim como a capacidade, o controle, a utilidade e sua sanidade.

+ Leia também: Corpo e mente no mesmo compasso: é possível?

É fundamental procurar apoio

Das pessoas com condições de saúde mental, somente 26% buscam ajuda – e 70% dessas podem melhorar com a ajuda de tratamentos.

Continua após a publicidade

Nunca falamos tanto de saúde mental, e essa é uma boa notícia. Mudar uma cultura de saúde mental leva tempo e requer acesso e informação.

Faça um exercício comigo agora: respire fundo e sinta como você está. Como estão suas emoções, seus planos, seus sonhos, sua motivação e seu prazer, incluindo o sexual?

Você tem se sentido sozinha, triste, sem vontade de fazer as coisas? Tem estado muito nervosa e com dificuldades de dormir? Tem pensado em fazer algo com você?

Esses são alguns sinais que precisamos levar em conta para o nosso checkup emocional.

Continua após a publicidade
Use a caixa de busca ou clique no índice para encontrar o verbete desejado:

Devemos também ampliar a visão sobre os tipos de cuidados necessários, como acesso aos cuidados de saúde mental, psicoterapia e tratamento medicamentoso.

Atividades físicas regulares e alimentação também são essenciais, assim como o cuidado espiritual – tenha uma crença, fé, esperança.

É preciso investir nos cuidados sociais e fortalecimento da saúde mental de toda uma comunidade.

Continua após a publicidade

Será que realmente sabemos como está a mulher próxima de nós? Sabemos onde buscar ajuda?

Quer fazer mais? Algumas ideias:

• Se cuide, se priorize e, se der, seja exemplo para outra mulher.
• Diante casos de violência, não duvide nem julgue: acolha e denuncie.
• Conheça as pautas políticas de saúde mental e bem-estar da sua região e se engaje.
• Promova espaços de troca, educação, acolhimento e suporte em vários ambientes, como escola, trabalho…
• Observe a si mesma e as mulheres próximas a você. Ouça sem julgamento. Conheça os sinais de atenção para a saúde mental e não tenha medo de oferecer ou pedir ajuda quantas vezes forem necessárias.
• Conheça e fortaleça sua rede de apoio
• Seja gentil nos grupos virtuais – cuidado com o preconceito e a psicofobia.
• Se você é profissional da saúde, ouça, investigue e cuide de maneira integral da mulher.
• Conheça e encaminhe para os locais de ajuda, como o Mapa Saúde Mental, o Mapa do Acolhimento, o CVV e o disque-denúncia. Encoraje a busca pelo apoio especializado do psicólogo e psiquiatra.

E, para os homens: se incluam nesse cuidado, oferecendo acolhimento e ajudando a garantir os direitos básicos. Respeite! Poderemos comemorar mais quando essa pauta for de todos!

*Karen Scavacini é psicóloga e fundadora e CEO do Instituto Vita Alere de Prevenção e Posvenção do Suicídio

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.