Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Em primeira pessoa

Numa parceria com o CDD (Crônicos do Dia a Dia), esse espaço dá voz a pessoas que vivem ou viveram, na própria pele, desafios e vitórias diante de uma doença crônica, das mais prevalentes às mais raras
Continua após publicidade

Maio Amarelo: os invisíveis no trânsito

Uma mulher com deficiência visual conta, a partir de uma experiência própria, como precisamos ser mais respeitosos e inclusivos no trânsito brasileiro

Por Bianca Lima de Oliveira, pessoa com NMO*
16 Maio 2024, 08h42

Ainda lembro bem quando me coloquei em perigo como pedestre à noite. Logo eu, que tenho baixa visão por causa da neuromielite óptica (NMO), uma doença rara

Explico: fui para uma consulta, mas ela demorou mais do que o esperado. Quando me dei conta, já havia escurecido. 

Acontece que sofro com fotofobia, uma sensibilidade extrema à luz. E isso não me permite olhar para os faróis dos carros. Usar óculos escuros ajuda, mas não resolve – com eles, não consigo enxergar onde piso à noite. 

Mas lá estava eu saindo da consulta e precisando voltar para casa. As luzes dos carros ofuscavam minha visão e olhar o trânsito já não era possível. Então tracei um plano: caminhar de cabeça baixa com os olhos fixos olhando para o chão até o ponto de ônibus. 

Estava indo tudo bem. Até que o desespero bateu ao me deparar com uma faixa de pedestres num cruzamento, e ver todos atravessando apressadamente. Justo eu que tem mobilidade reduzida! Pois é: a NMO também pode afetar a locomoção. 

+Leia também: O impacto do trânsito na saúde mental

Sei que meus passos curtos e esforçados não combinam com o relógio de quem está atrasado. Até entendo, porque o mundo não enxerga deficiências invisíveis como a minha, muito menos a finalidade do colar de girassol que uso.

Mas a impaciência dos motoristas é um comportamento comum que anula a empatia e aumenta consideravelmente os riscos de acidente no trânsito. Dessa vez, eu me safei, apesar do medo. Mas sabe por que nos sentimos vulneráveis?

Porque, seja com ou sem deficiência, vivenciamos a falta de educação no trânsito cotidianamente.  O que custa respeitar o semáforo, a faixa de pedestres, as sinalizações, a vaga exclusivas para idosos e deficientes?

Nessa matemática, o que vale mais? Seus dois minutos ou a vida de alguém?

O Maio Amarelo serve para conscientização sobre acidentes no trânsito. O respeito salva e a imprudência mata anualmente milhares de pessoas no Brasil. Por isso, alerto: o limite de velocidade deve ser respeitado, e o seu veículo precisa estar com os equipamentos de segurança em dia. 

Continua após a publicidade

Essas recomendações não são apenas para me proteger como pedestre. Se você parar para pensar, estará salvando sua vida também. O pior cego é aquele que não quer ver!

*Bianca Lima de Oliveira tem neuromielite ótica (NMO) e gosta de dizer que está superando as sequelas dessa condição.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.