Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Falar Inspira Vida

Neste espaço, especialistas e articulistas vinculados ao Movimento Falar Inspira Vida promovem orientações e discussões sobre cuidados com a saúde mental e o controle de doenças como a depressão
Continua após publicidade

O impacto do trânsito na saúde mental

Gastar muito tempo para se deslocar nas grandes cidades afeta o bem-estar emocional da população. Psiquiatra indica estratégias para amenizar os prejuízos

Por Elson Asevedo, psiquiatra*
30 Maio 2023, 09h47

Para muitos habitantes de grandes metrópoles, enfrentar o trânsito é parte do cotidiano. Em São Paulo, por exemplo, estima-se que a população gasta, em média, três horas por dia no trânsito, de acordo com a pesquisa “Mobilidade Urbana na Cidade”, realizada pela Rede Nossa São Paulo e Ibope, em 2019.

Isso é muito superior à média global, que é de aproximadamente uma hora por dia, segundo dados do TomTom Traffic Index.

Estar preso no trânsito, imerso em um mar de buzinas e cercado por poluentes atmosféricos, pode ser uma experiência mentalmente exaustiva, com uma série de consequências negativas para a saúde mental.

O primeiro grande impacto diz respeito ao estresse. Em 2017, um estudo publicado no American Journal of Preventive Medicine analisou mais de 34 mil trabalhadores canadenses e descobriu que aqueles que percorriam mais de 45 minutos para o trabalho tinham níveis mais elevados de estresse do que aqueles que faziam viagens mais curtas.

Esses trabalhadores também eram mais propensos a ter uma qualidade de sono ruim, o que, por si só, pode levar a uma série de problemas – que vão desde ansiedade e depressão até prejuízos na concentração e na produtividade.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Segurança no trânsito em todas as fases da vida

A poluição sonora é outro componente significativo que merece ser levado em conta.

O ruído constante das buzinas, dos freios e dos motores pode levar a um estado de alerta constante, abalando o sono e aumentando os níveis de estresse.

Uma pesquisa da Universidade de Oxford, publicada em 2020, indicou que a exposição prolongada ao ruído do trânsito está associada a altos níveis de ansiedade e depressão, ressaltando a necessidade de abordar esse tema.

Continua após a publicidade

Em terceiro lugar, o trânsito é uma fonte significativa de poluentes atmosféricos, como partículas finas e gases de escape.

Estudos indicam que a exposição a esses poluentes pode ter impactos diretos e indiretos na saúde mental.

+ LEIA TAMBÉM: Poluição sonora: um problema do barulho

Uma pesquisa de 2019, publicada no JAMA Psychiatry, revelou uma ligação entre a exposição a longo prazo a poluentes do ar e um aumento no risco de desenvolver doenças mentais, incluindo, de novo, depressão e ansiedade.

Continua após a publicidade

Além disso, a violência no trânsito, seja na forma de acidentes ou de crimes (como assaltos), é uma realidade capaz de ter efeitos devastadores na saúde mental.

Pesquisas indicam que vítimas de acidentes de trânsito ou de crimes podem desenvolver transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), ansiedade, depressão, entre outros transtornos mentais.

Então, como podemos mitigar o impacto do trânsito na nossa saúde mental? Vou dar algumas dicas:

  • Práticas de mindfulness: Uma pesquisa de 2018, publicada no Journal of Applied Psychology, mostrou que o mindfulness, ou atenção plena, pode ajudar a reduzir o estresse relacionado ao trânsito.Mindfulness envolve prestar atenção no momento presente, sem julgamento. Isso é particularmente útil no trânsito, pois ajuda a manter a calma mesmo em situações estressantes.
  • Utilização de transportes alternativos: Optar por bicicletas ou caminhadas, por exemplo, é uma boa pedida. Além de evitar o trânsito e a poluição sonora, essa mudança promove a atividade física, que é conhecida por seus benefícios à saúde mental.
  • Proteção contra a poluição sonora e do ar: Se o trânsito e a poluição sonora são inevitáveis, algumas medidas se mostram interessantes, como o uso de fones de ouvido com cancelamento de ruído e máscaras antipoluição.
  • Flexibilidade no trabalho: Uma rotina mais flexível, com trabalho remoto ou horários de ajustáveis, por exemplo, podem ajudar a reduzir o tempo gasto no trânsito e, consequentemente, os seus efeitos negativos.
  • Otimização do tempo de viagem: Utilizar o tempo no trânsito de forma produtiva é uma maneira de evitar o estresse. Isso pode envolver ouvir um podcast, aprender uma nova língua ou simplesmente aproveitar esse momento para relaxar.
  • Contato com a natureza: Pesquisas têm demonstrado que o contato com a natureza traz benefícios significativos para a saúde mental. Sempre que possível, visite parques, matas, campos e fazendas. Isso parece ser um antídoto – ao menos parcial – para os efeitos negativos do trânsito sobre a saúde mental.

BUSCA DE MEDICAMENTOS Informações Legais

DISTRIBUÍDO POR

Consulte remédios com os melhores preços

Favor usar palavras com mais de dois caracteres
DISTRIBUÍDO POR
Continua após a publicidade

É válido destacar que reduzir o tempo de deslocamento nas grandes cidades não é apenas um desafio individual, mas também uma questão de políticas públicas.

Diversos exemplos internacionais mostram que isso é possível e necessário.

A expansão da rede de ciclovias em Bogotá e a implementação do sistema de metrô em Copenhague são exemplos de intervenções que resultaram em uma menor dependência do transporte individual motorizado.

Além disso, a promoção de políticas de trabalho flexíveis e de teletrabalho por parte das organizações também tem papel crucial na redução do tempo gasto no trânsito, com efeitos benéficos para os trabalhadores.

Continua após a publicidade

Em face dos inúmeros desafios que o trânsito apresenta, é imprescindível reconhecer a amplitude do seu impacto na saúde mental e procurar estratégias ativas para mitigar esses danos.

Ao reconhecermos a extensão dos malefícios, podemos começar a tomar medidas contra eles.

A chave é encontrar estratégias que se adequem à nossa rotina e nos permitam navegar com o máximo de serenidade possível pelas demandas da vida urbana.

*Elson Asevedo é médico psiquiatra

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.