Clique e Assine VEJA SAÚDE por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Em primeira pessoa

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Numa parceria com o CDD (Crônicos do Dia a Dia), esse espaço dá voz a pessoas que vivem ou viveram, na própria pele, desafios e vitórias diante de uma doença crônica, das mais prevalentes às mais raras
Continua após publicidade

Convívio em família com a dermatite atópica

Para Márcio, jornada de convívio com a doença é um lembrete diário da importância da empatia e da compaixão

Por Márcio Gonçalves, que tem dermatite atópica*
13 nov 2023, 12h10

Quando minha filha Íris veio ao mundo, em novembro de 2021, uma onda de felicidade e responsabilidade inundou minha vida e a de minha esposa, Joyce. No entanto, também carregamos conosco algo que, infelizmente, não era estranho para mim: a dermatite atópica (DA).

Minha história com essa condição começou quando eu tinha apenas 3 meses de idade.

As dolorosas coceiras, as noites sem dormir e a sensação de estar constantemente desconfortável marcaram minha infância. E, agora, com minha filha diagnosticada com DA desde seus 4 meses de vida, percebo que essa jornada é algo que compartilhamos como família.

A dermatite atópica não é só uma condição de pele; é uma parte intrínseca do nosso cotidiano. Cada mancha na pele da Íris me lembra dos momentos difíceis que eu mesmo enfrentei quando criança.

Entretanto, a experiência da paternidade trouxe uma nova perspectiva para minha luta pessoal.

Não se trata apenas de encontrar maneiras de aliviar nossos sintomas, mas também de educar e criar consciência para que minha filha e outras crianças com DA não tenham que enfrentar os mesmos desafios e preconceitos que eu enfrentei.

Conviver com a dermatite atópica me fez perceber a importância de normalizar a conversa sobre condições de pele. Não é apenas um debate sobre estética; é uma questão de saúde (física e mental).

Continua após a publicidade

+ Leia mais textos da coluna Em primeira pessoa

A falta de compreensão sobre a DA frequentemente leva ao estigma e ao preconceito. As pessoas olham para as erupções cutâneas e não entendem a dor que está por trás delas. É crucial quebrar esse ciclo de ignorância e aumentar a conscientização sobre a doença.

Como pai, meu maior desejo é que minha filha cresça em um mundo onde seja aceitável ser diferente, onde as condições de pele não sejam motivo de vergonha ou isolamento. É por isso que tenho trabalhado para aumentar a conscientização sobre a dermatite atópica.

Educar outras pessoas sobre a condição ajuda a dissipar o estigma e também cria um ambiente de apoio para crianças como a Íris.

Além disso, essa jornada me ensinou a importância da autoaceitação. A dermatite atópica pode afetar profundamente a autoestima. A constante coceira e as lesões na pele muitas vezes fazem as pessoas se sentirem envergonhadas e incompreendidas.

+ Leia também: Dermatite atópica piora rendimento escolar de crianças, segundo estudo

Continua após a publicidade

No entanto, como pessoa com DA e como pai de alguém que vive com DA, estou determinado a mostrar para a Íris que sua pele não define quem ela é. Ela é forte, corajosa e incrivelmente amada, independentemente das marcas em sua pele.

Nossa jornada em família com a dermatite atópica é um lembrete diário da importância da empatia e da compaixão.

*Márcio Gonçalves é analista de qualidade e pessoa com dermatite atópica

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.