Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Com a Palavra Por Blog Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde

Voto grisalho, voto consciente: cidadania não tem idade

Membro do coletivo Velhices Cidadãs explica como os idosos se tornaram uma força eleitoral decisiva e por que devem exercer o direito ao voto

Por Yeda Duarte, enfermeira* 16 jul 2022, 09h33

Os números são expressivos: na eleição deste ano, que será realizada nos dias 2 e 30 de outubro, vamos às urnas para eleger 513 deputados federais, 1058 deputados estaduais ou distritais, 27 governadores e o presidente da República, além de renovar um terço das 81 cadeiras do Senado.

E quem pode votar? Ora, no Brasil o voto é obrigatório a todas as pessoas entre 18 e 69 anos, de acordo com o artigo 14, parágrafo primeiro da Constituição Federal. Desse grupo, quem não comparecer às urnas fica em débito com a Justiça Eleitoral e, em caso de repetições, pode ter sua inscrição eleitoral cancelada e alguns direitos civis prejudicados.

Houve uma exceção em 2020, em função da pandemia do coronavírus, quando o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) suspendeu os débitos para quem não votou naquele ano. Em todo caso, o ideal, se necessário, é checar e emitir certidão de quitação eleitoral, o que pode ser feito pela internet.

Mas há outro voto nessa história, o facultativo. E ele desperta atenção especial neste ano. Tanto entre os mais novos como entre os mais velhos. Aqui entram pessoas que podem (e devem) votar, ainda que não tenham a obrigatoriedade de fazê-lo. O grupo é composto de analfabetos, jovens de 16 a 18 anos e idosos acima de 70 anos.

Os idosos, considerando a faixa a partir dos 60 anos, representam atualmente uma grande força no país. Somos quase 20% dos brasileiros aptos a votar. Ou seja, mais de 27 milhões de votos, predominantemente femininos, superando em mais de 5 milhões o número de votantes entre 16 e 24 anos.

+ Acompanhe as últimas notícias sobre as eleições 2022 no site de VEJA

Em uma eleição muito disputada como deverá ser a de 2022, o voto do eleitorado idoso poderá ser decisivo. Mas essa força eleitoral não emergirá somente este ano. Ela representa o começo de uma mudança que tende a progredir ao longo do século 21.

O chamado “voto grisalho” é crescente em todo o país, sendo mais expressivo nos estados do Rio de Janeiro e de São Paulo, onde um em cada cinco eleitores tem mais de 60 anos. Estima-se que em 2030 tenhamos, em nossa população, cerca de 42 milhões de eleitores idosos, o dobro dos eleitores jovens.

Continua após a publicidade

Esse fenômeno convida os idosos a exercerem sua cidadania, organizando-se e participando das eleições de forma consciente. Pensando no hoje e no futuro que queremos.

Para isso, devemos garantir o direito ao voto e buscar a eleição de candidatos realmente comprometidos com as demandas desse grupo etário nas mais diversas áreas: saúde, previdência, trabalho, lazer, moradia etc. E checar o histórico dos postulantes aos cargos, suas propostas e formas de implementá-las considerando limitações de orçamento.

+ LEIA TAMBÉM: A nova cara e os desafios da velhice

Dizer apenas “prefiro não voltar em ninguém” ou “não vou desperdiçar meu tempo indo votar”, entre outras colocações, não ajuda em nada. Depois não adianta reclamar.

O processo eleitoral é uma construção coletiva, uma responsabilidade de todos nós. E, como cidadania não tem idade, é importante exercer o direito ao voto com consciência se quisermos colaborar com a construção do país em que almejamos viver.

Compartilhe essa matéria via:

* Yeda Duarte é enfermeira, professora da Universidade de São Paulo (USP), coordenadora do Estudo SABE – Saúde, Bem-estar e Envelhecimento em São Paulo e membro do Coletivo Velhices Cidadãs

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação confiável salva vidas. Assine Veja Saúde e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e no app.

Blogs de médicos e especialistas.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao site da Veja Saúde, diariamente atualizado.

Blogs de médicos e especialistas.

Receba mensalmente Veja Saúde impressa mais acesso imediato às edições digitais no App, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês