Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Você sabe o que é biohacking? Entenda o fenômeno, seus riscos e promessas

Termo faz referência a cientistas e outras pessoas que buscam inovações biotecnológicas até na garagem de casa. Conheça suas implicações

Por Juliano Sanches, pesquisador na área de políticas científicas*
3 abr 2023, 09h43

O biohacking aparece a partir de uma multiplicidade de ambientes, circunstâncias e comunidades e reúne desde entusiastas presentes em universidades como professores e alunos até praticantes de laboratórios de garagem, cozinha ou armário.

Ele engloba uma porção de soluções biotecnológicas, como criação de implantes de biochips, probióticos e até dispositivos cerebrais, sem falar em edição genética.

É possível reconhecer um biohacker quando você passa pelo corredor da universidade? Vejamos.

O biohacking vai muito além de um hobby. Durante o dia, boa parte dos adeptos trabalha como pesquisador em universidades brasileiras. À noite, essa turma mexe, observa e analisa moléculas, desmonta e combina componentes de equipamentos.

Continua após a publicidade

Seja por motivos recreativos ou científicos, o laboratório (da faculdade e às vezes até o de casa) se torna uma metáfora para recriar interações entre o corpo e a tecnologia.

+ LEIA TAMBÉM: O que um acelerador de partículas tem a ver com a nossa saúde?

Cultura de garagem, o hacking (sem o “bio”) ganhou atenção principalmente a partir da ascensão da internet na década de 1990. Apesar da conotação negativa que o termo ganhou em alguns círculos, o conceito remete a cidadãos comuns botando a mão na massa entre softwares e hardwares.

Continua após a publicidade

Num segundo momento, aparecem pessoas interessadas em adotar a perspectiva (bio)hacking, uma proposta de transpor as metáforas das Tecnologias de Informação e Comunicação para o corpo e a biologia.

Os biohackers aparecem ao lado de dispositivos como impressoras 3D, microscópios, estufas, pipetas, centrífugas. Em busca do compartilhamento de informações, por meio da leitura de artigos científicos e tutoriais, os cidadãos, os cientistas e os pacientes interagem a partir de mil e uma possibilidades.

Essas comunidades se baseiam na perspectiva de uma medicina e biologia Do-It-Yourself (ou “faça você mesmo”), no sentido de construir ou realizar experimentações com equipamentos, substâncias químicas, processos e dados.

Continua após a publicidade

No entanto, o discurso do biohacking passa a ser capturado por gurus do mercado fitness e wellness, propagandeando a promessa de rejuvenescer uma década, aumentar as capacidades físicas ou cognitivas e até viver 180 anos!

Por trás dessa narrativa prevalece a pseudociência. Há uma banalização preocupante do tema, ladeada de charlatanismo, potenciais perigos à saúde e a ideia equivocada de uma juventude eterna.

As discussões sobre os riscos e os aspectos éticos aparecem de forma pujante em torno do assunto e instigam a sociedade civil a se esclarecer e se  engajar, em direção a novas tomadas de decisão sobre esse fenômeno. Não há um consenso sobre o tema.

Continua após a publicidade

+ LEIA TAMBÉM: Livro investiga as origens da pandemia de Covid-19

Entretanto, restringir ou proibir essas práticas pode ter um efeito contrário, isto é, instigar ainda mais o interesse (e até as falsas promessas).

Os debates, eventos e fóruns públicos são mais efetivos em contraste com medidas proibitivas, pois conduzem a reflexões, mediadas por cientistas, sobre os riscos e as perspectivas, e promovem o engajamento do cidadão em torno do conhecimento científico.

Continua após a publicidade

A iniciativa de criar laboratórios de biohacking em universidades públicas brasileiras tem sido cada vez mais debatida por uma diversidade de atores, como pesquisadores e formuladores de políticas públicas.

Essa é uma tendência incipiente, mas, se bem pensada, estruturada e supervisionada por profissionais capacitados, pode render frutos à nossa sociedade.

Compartilhe essa matéria via:

* Juliano Sanches é mestre em divulgação científica e cultural e doutorando em política científica e tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.