Assine VEJA SAÚDE por R$2,00/semana
Imagem Blog

Com a Palavra Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO

Por Blog
Neste espaço exclusivo, especialistas, professores e ativistas dão sua visão sobre questões cruciais no universo da saúde
Continua após publicidade

Velhices cidadãs: um novo olhar para o envelhecimento

Novo movimento criado no Brasil busca mais respeito aos idosos e combate ao idadismo, a discriminação baseada na idade

Por Alexandre Kalache, médico e gerontólogo*
20 abr 2022, 10h50

Essa é uma história que já tem conquistas e só se amplia. Tudo começou em 2019, com uma decisão da Assembleia Mundial da Saúde. Nem a sociedade civil nem o mundo acadêmico se deram conta, mas a Organização Mundial da Saúde (OMS) estava propondo, na revisão da Classificação Internacional de Doenças (CID), substituir o criticado código “senilidade” por “velhice”. Mas a emenda saiu pior que o soneto.

A CID é de fundamental importância. Intervenções médicas, alta hospitalares ou atestados de óbito requerem um código. Sem isso, estatísticas não podem ser acumuladas. Ocorre que, ao adotar um código como “velhice”, deixaríamos de saber do que as pessoas idosas estavam sofrendo ou mesmo morrendo.

Não só. O estigma criado teria um impacto devastador para a autoestima do grupo populacional que mais cresce mundo afora, levando a um tsunami de idadismo, o preconceito com base na idade da pessoa.

LEIA TAMBÉM: Envelhecer não é adoecer! É um direito!

Foi a morte do Duque de Edimburgo, em abril de 2021, que chamou atenção para a proposta da OMS. O médico real colocou como causa de morte “velhice”, muito embora o marido da rainha da Inglaterra tivesse um problema cardíaco grave há anos. Se um médico tão bem informado o fizera, imagine o que outros viriam a fazer por ignorância, desinteresse ou preconceito.

Continua após a publicidade

A nova CID entraria em vigor no início de 2022. Tínhamos pouco tempo para tentar reverter a desastrosa decisão da OMS. Assim que soubemos, um grupo de acadêmicos e representantes da sociedade civil se articulou para mover uma objeção.

De todos os países, o movimento mais ardoroso foi o do Brasil. Um marco histórico foi um painel de discussão organizado pelo canal O Que Rola na Geronto do qual participamos eu e o presidente da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG). Ali definimos a estratégia a seguir. Articulamos a adesão de múltiplas organizações da sociedade civil e da comunidade acadêmica mundo afora.

A tarefa parecia impossível. Mas perseveramos e, no final de dezembro, a OMS voltou atrás, retirando “velhice” da CID. Celebramos muito! Velhice não seria interpretada como sinônimo de doença ou problema de saúde.

Compartilhe essa matéria via:

A luta não poderia parar aí. A própria pandemia havia deflorado o que já sabíamos. O idadismo é prevalente e arraigado. A conquista e a defesa dos direitos das pessoas idosas, indispensáveis.

Havíamos consolidado um movimento único, determinado e competente. Precisávamos canalizar a energia e o capital conquistados. Assim, lançamos o movimento Velhices Cidadãs através de uma declaração dirigida ao povo brasileiro e de uma carta de princípios e reivindicações encaminhada aos candidatos de todos os partidos que irão concorrer nas eleições de outubro.

Nossa causa é intergeracional. Os direitos das pessoas idosas são também os dos jovens que aspiram envelhecer. Nada é tão premente neste século. E o desfecho será definido por nossa capacidade de responder ao desafio do envelhecimento ativo, com dignidade, mundo afora.

* Alexandre Kalache é médico e gerontólogo, presidente do ILC-Brazil (Centro Internacional de Longevidade Brasil) e liderança no Coletivo Velhices Cidadãs

Continua após a publicidade
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A saúde está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA SAÚDE.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja Saúde impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.